Enquanto trabalhadores do mundo todo passaram o Dia do Trabalhador protestando por seus direitos trabalhistas ou descansando, o governo chinês decidiu humilhar cidadãos com dívidas ao colocar seus rostos e informações pessoais em telas gigantes em uma província do país.

• China vai proibir viagens de trem e avião para cidadãos com “pontuação social” ruim
• Atravessar a rua na hora errada pode resultar em jatos d’água e constrangimento em cidade chinesa

O South China Morning Post noticia que a corte do distrito de Shushan na província de Anhui decidiu expor pessoas com dívidas nos outdoors e TVs localizadas em áreas públicas. A tentativa de humilhar pessoas com débitos em atraso foi realizada em horas de pico de trânsito durante o feriado internacional, com o objetivo de as expor para mais pessoas possíveis.

A iniciativa publicou seus nomes, números de identidade, valor do débito e outras informações para cada endividado. Uma fotografia dos chamados “devedores caloteiros” também era acompanhada de suas informações pessoais.

Um total de 110 pessoas tiveram suas informações mostradas em placas de publicidade localizadas em mais de 300 pontos de ônibus ao redor da cidade de Hefei, que tem uma população aproximada de oito milhões de pessoas. As vítimas da campanha de humilhação do governo deviam quantias que iam desde pequenos valores como centenas de yuan – algumas centenas de dólares – até 15 milhões de yuan, algo perto de US$ 2,36 milhões.

A “celebração” pouco ortodoxa do Dia Internacional dos Trabalhadores na China é uma extensão de um esforço nacional lançado no ano passado que tem a intenção de punir as pessoas que não conseguem pagar suas dívidas. O New York Times noticiou em outubro de ano passado que as autoridades chinesas ordenaram que governos locais criem bases de dados online que tornem público os nomes das pessoas que não pagaram suas dívidas.

Se tornou uma missão do governo não permitir que endividados escapem de lembretes sobre suas obrigações. De acordo com o South China Morning Post, autoridades locais começaram a publicar nomes de endividados em jornais e estações de trem, numa tentativa de fazê-los pagarem os débitos.

A Suprema Corte reuniu uma lista de praticamente 10 milhões de pessoas que agora estão proibidas de viajar até que paguem suas dívidas. Algumas regiões começaram a trabalhar com empresas de telecomunicações para criar gravações que tocam quando uma pessoa tenta ligar para um endividado. As mensagens automáticas pedem para quem está fazendo a ligação encorajar o seu conhecido a pagar a dívida.

Enquanto a China tenta humilhar os seus cidadãos, o governo conseguiu aumentar as suas próprias dívidas. A dívida interna do país praticamente dobrou em 2017, de acordo com o Economic Times, e especialistas econômicos alertam que as tentativas do país de continuar crescendo desenfreadamente deve resultar em uma bolha de dívidas ainda maior.

[South China Morning Post]

Imagem do topo: Getty