Em sua mais recente tentativa distópica de conter a disseminação do COVID-19, o governo chinês empregou dois dos maiores gigantes da tecnologia da Ásia para ajudá-lo a implantar um sistema de rastreamento baseado em cores em todo o país para acompanhar quem sofre de sintomas de coronavírus, segundo um novo relato da Reuters.

Empresas alistadas para esse filme de ficção científica da vida real para conter o COVID-19 – nome dado pela Organização Mundial da Saúde ao coronavírus mortal por trás desta emergência de saúde global – incluem Alibaba Group Holdings, maior empresa de publicidade digital, e-commerce, e plataforma de nuvem da Ásia, bem como a Tencent Holdings, uma das maiores empresas de videogame do mundo e que está por trás do popular aplicativo de mensagens WeChat.

Como parte de uma colaboração com Pequim, a Alipay, um aplicativo de pagamento operado pela subsidiária da Alibaba, a Ant Financial, lançou recentemente um novo recurso que envia um código QR baseado em cores para indivíduos via smartphone, com base nas respostas a uma pesquisa de saúde online.

Dependendo dos sintomas que eles estão enfrentando ou se viajaram recentemente, eles recebem uma das três cores associadas ao número de identificação. Verde significa que o usuário pode viajar livremente; amarelo solicita instruções para o usuário permanecer em quarentena por sete dias; e vermelho – usado nos casos mais graves – indica um período de quarentena de 14 dias e instrui os usuários a fazer check-in regularmente por meio de um aplicativo de bate-papo do Alibaba.

Na semana passada, o recurso foi lançado para os moradores de Hangzhou, no leste da China, como parte de um teste, e a partir de domingo, a Alipay começou a trabalhar com as autoridades federais para começar a implementá-lo em todo o país. Segundo a Reuters, a mídia estatal pretende implantar esse sistema nos pontos de verificação de viagens e em bairros individuais, a fim de rastrear qualquer pessoa que possa estar em risco de espalhar a doença. Dois moradores de Hangzhou disseram à agência de notícias que foram solicitados a escanear seus códigos QR antes de entrar em seus apartamentos, e um terceiro foi solicitado a mostrar seu código antes de entrar em um supermercado local.

A Tencent anunciou um recurso semelhante no sábado, como parte de uma parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China. O sistema foi implantado na cidade de Shenzhen, no sul, e logo se expandirá para a grande província de Guangdong, informou a empresa em um post nas redes sociais.

Esses programas de rastreamento corporativo patrocinados pelo Estado se juntam a várias outras maneiras perturbadoras e futuristas pelas quais as autoridades chinesas têm usado a tecnologia para monitorar e combater o surto.

Relatos anteriores confirmaram que a polícia, em um esforço para manter os policiais afastados do público, empregou um sistema de código QR distribuído por drones aéreos para coletar informações de saúde dos residentes. As autoridades também contrataram robôs terrestres para ajudar a impedir a transmissão do vírus entre humanos. As autoridades da província de Yunnan também implantaram um sistema semelhante ao de Alipay; os moradores afirmam que precisam escanear um código QR atribuído antes de serem autorizados a entrar nos prédios.

Até o momento, o COVID-19 é responsável por mais de 1.700 mortes. A maioria ocorreu na China continental, onde mais de 100 milhões de residentes permanecem em um bloqueio virtual sem fim previsível. Cerca de 70.000 casos foram confirmados em todo o mundo em mais de duas dezenas de países, segundo as estatísticas da OMS.

[Reuters]