As autoridades chinesas impuseram verificações obrigatórias de temperatura para todos os residentes em Wuhan, cidade da província de Hubei, no centro do surto de coronavírus em andamento, e planejam transferir todos os infectados para as instalações de quarentena, pois o número de mortos continua aumentando para 563 e o número de casos confirmados subiu para pouco mais de 28.000 na quinta-feira.

Não está claro como a ordem em Wuhan, uma cidade com cerca de 11 milhões de pessoas, pode ser cumprida, ou se a expansão das autoridades chinesas responsáveis pela quarentena para abranger os quase 60 milhões de residentes da província de Hubei funcionará efetivamente. De acordo com o New York Times, o vice- premier Sun Chunlan – a quem o governo chinês encarregou dos esforços de controle do coronavírus – instruiu as autoridades a visitar as casas de “todos os residentes”, além de realizar entrevistas com qualquer pessoa em contato próximo com pacientes que foram confirmados como infectados. Sun disse que deve haver um “sistema de serviço 24 horas por dia” e que “durante essas condições de guerra, não deve haver desertores, ou eles serão pregados ao pilar da vergonha histórica para sempre”, segundo o Times.

O governo também está correndo para isolar indivíduos que foram confirmados como infectados pelo vírus em abrigos de quarentena (oficialmente destinados a pessoas com sintomas mais leves), embora o Times tenha notado que posts no site da rede social chinesa Sina Weibo disseram que esses pacientes enfrentam más condições, como falta de médicos, remédios, equipamentos e até calor. Os cidadãos dos EUA que deixaram Wuhan nos últimos vôos disponíveis para os EUA foram submetidos a procedimentos de quarentena de 14 dias, segundo o Washington Post, alguns deles em bases militares.

Atualmente, não se sabe o quão mortal é o vírus, conhecido como 2019-nCoV, e muitos outros fatores, como a facilidade com que se espalha, permanecem obscuros. Um relatório da Organização Mundial da Saúde divulgado na quinta-feira indicou que dos 28.276 casos confirmados internacionalmente, 28.060 deles estavam na China e 3.859 dos casos chineses foram confirmados como graves (uma taxa de cerca de 13,75%). As 564 mortes relatadas representam uma taxa de mortalidade de aproximadamente 2%.

No entanto, é quase certo que esses números sejam subestimados e, possivelmente, por uma ampla margem. Se um grande número de casos não fosse relatado ou não fosse reconhecido por serem muito leves para serem notados, isso significaria uma menor taxa de mortalidade. Ainda não não foi quantificado quão infecciosa a doença realmente é. O R-naught (também conhecido como o número médio de outras pessoas para as quais um indivíduo infectado espalha a doença) foi estimado pelo New England Journal of Medicine em 2,2 em um estudo recente; outro artigo da Universidade de Lancaster estimou que possivelmente estava mais próximo de 3,1; enquanto os pesquisadores de Hong Kong acreditam que o número de infectados pode estar em torno de 75.000. O analista de Raymond James, Chris Meekins, disse à CNBC que o número pode chegar a 100.000.

Os relatos indicaram que Li Wenliang, oftalmologista do Hospital Central de Wuhan que alertou os colegas de sua escola de medicina de que parecia haver uma doença semelhante à SARS se espalhando em 30 de dezembro de 2019, e recebeu avisos das autoridades para parar de espalhar informações falsas, morreu após contrair a doença. De acordo com a Foreign Policy, a mídia estatal chinesa havia informado que ele havia morrido, mas esses relatos foram corrigidos mais tarde dizendo que ele havia “ressuscitado” e estava em “condição crítica”. Li foi posteriormente confirmado como morto por seu empregador. Os censores chineses continuaram a reprimir as publicações online sobre o surto, continuando um encobrimento que supostamente impediu os primeiros esforços para controlar o surto.

“Não há dúvida de que o governo de Wuhan subestimou a doença”, disse ao Financial Times um consultor sênior não identificado do governo chinês. “O prefeito de Wuhan não tem conhecimento nem disposição para seguir o conselho de especialistas em saúde. Sua preocupação é que uma escalada na prevenção de doenças possa prejudicar a economia local e a estabilidade social”.

O consultor acrescentou que a questão é generalizada: “No ambiente político atual, que valoriza mais a obediência do que a competência, as autoridades locais têm um incentivo para evitar assumir responsabilidades”.

De acordo com a CNN, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças começaram a enviar kits de teste de coronavírus nos EUA, com 200 destinados a laboratórios domésticos e outros 200 com destino internacionais. Esses kits, um teste de reação em cadeia da transcriptase-polimerase reversa que funciona com cotonetes orais ou nasais, podem testar em torno de 700 a 800 pacientes em busca de sinais de infecção. De acordo com a CNN, o FDA emitiu uma aprovação de emergência para os kits entrarem em produção, apesar da falta do selo oficial de aprovação da agência. O Pentágono preparou 11 locais para medidas adicionais de quarentena perto de aeroportos internacionais, informou a CNN.

No Brasil, por enquanto, não há casos confirmados da doença. Além disso, o governo fretou aviões para trazer de volta  os brasileiros que estão em Wuhan.