Olha só! O Google Chrome enfim está arrumando a casa, pelo menos quando o assunto são aqueles vídeos irritantes que tocam sozinhos.

A última atualização do navegador, o Chrome 66, silencia vídeos de reprodução automática e ativa o som novamente se você é o tipo de maníaco que quer algo assim na sua experiência de navegação.

Você ainda verá vídeos com reprodução automática, mas não irá mais ouvi-los, a menos que tenha o hábito de clicar neles. A função de ativação de som automática é agora baseada no seu engajamento no passado com vídeos que tocam sozinhos em um determinado site (engajamento esse medido pela ferramenta Media Engagement Index, do Google) e pode acontecer também se você tiver um site específico na tela inicial de seu dispositivo móvel.

Captura de tela: Google

Isso significa que os vídeos no YouTube provavelmente vão reproduzir automaticamente, a não ser que você o proíba. Porém, em média, os vídeos que tocam sozinhos serão bem quietinhos.

Quer garantir que você nunca mais ouça uma droga de um vídeo automático no futuro? Você pode manter seu índice de engajamento com mídia baixo, evitando assistir a vídeos de reprodução automática por mais de sete segundos ou mantendo o tamanho do vídeo em menos de 200×140 pixels em seu navegador.

Você pode ver conferir quanto tempo você gasta em média em vídeos de reprodução automática digitando chrome://media-engagement/ na sua barra de endereço. Lá são exibidas informações sobre a última vez que você viu um vídeo e quantas vezes visitou a página.

Se tudo isso soa familiar demais, é porque o Google tem falado sobre o assunto há alguns meses. Na versão Chrome 64, o recurso foi incluído como uma opção que podia ser selecionada pelo usuário na barra de endereço, permitindo que as pessoas decidissem se queriam ou não ouvir os vídeos automáticos de um site. Tornar o recurso mais automático e harmonioso é definitivamente uma melhoria, mas espero que o Google e seu índice de engajamento não entendam algo errado e disparem anúncios barulhentos para notebook quando eu estiver na biblioteca.

Imagem do topo: Getty