Durante quase toda a sua vida, Ron Smith tem sido um assunto de investigação científica. Quando nasceu, em 1972, ele foi estudado por cientistas e depois avaliado novamente aos três anos para documentar sua aptidão física, saúde mental e inteligência. A cada alguns anos depois, ele voltou a ser cutucado, observado e testado em nome da ciência. Neste ano, Smith vai fazer 45 anos.

• Cientista brasileira descobre relação entre número de neurônios e capacidade cognitiva
• Os estudantes de ensino médio que estão caçando os segredos do universo

Agora, este catálogo detalhado de dados biológicos está ajudando os pesquisadores a responder uma das questões científicas mais desconcertantes de todos os tempos: por que alguns de nós envelhecem de maneira graciosa, enquanto outros veem seus corpos começarem o processo de degeneração muito antes da morte?

De onde Smith vem, a vida sob o microscópio não é incomum. Na verdade, a maioria das outras pessoas com quem ele estudou também é cobaia. A não ser que você compartilhe o entusiasmo por tanto o grande albatroz quanto por história da mineração de ouro, é improvável que você tenha ouvido algo sobre sua cidade, Dunedin, uma cidade universitária de 127 mil habitantes que ocupa a ponta sul da Ilha do Sul da Nova Zelândia. Mas, desde 1972, pesquisadores aqui estudaram mais de mil bebês nascidos durante um período de um ano no Hospital Queen Mary da cidade. Durante 45 anos, a pesquisa forneceu importantes observações sobre coisas como o que leva ao abuso de substâncias ou como experiências na infância afetam a vida adulta. Uma descoberta do estudo ajudou a determinar uma sentença da Suprema Corte Americana em que um jovem não pode ser sentenciado à morte. Agora, com um tesouro de dados que abrange décadas, eles mudaram a direção para investigar como e por que envelhecemos.

Aproximando-se de seu aniversário de 45 anos, Smith, cujo nome mudamos já que o estudo não fornece informações sobre participantes, foi chamado de volta para casa em Dunedin para mais uma série de testes. Ele próprio é agora um cientista, casado, com dois filhos e morando na América do Norte. Durante dois duros dias, os pesquisadores avaliaram sua saúde cardiovascular, respiratória, sua cognição, sua saúde mental e a saúde bucal. Eles realizaram exames de sangue, de ressonância magnética e lhe fizeram perguntas sobre eventos importantes nos últimos anos de sua vida. Ao longo dos anos, pesquisadores da Universidade de Otago, de Dunedin, coletaram dados íntimos e detalhados sobre a vida de Smith.

“Isso faz você refletir profundamente”, disse ele ao Gizmodo.

Desde que começou há décadas, o estudo resultou em raras fotos biológicas de mil adultos desde o berço até o envelhecimento, uma imagem vívida do que acontece com a mente e o corpo à medida que envelhecemos.

Já há muito tempo, entendemos impressionantemente pouco sobre o envelhecimento do corpo. Hipócrates, por sua vez, teorizou que o corpo tinha uma “umidade inata” vital que, ao longo do tempo, se dissipava, assim como uma lâmpada de óleo ficaria sem combustível. O cientista do começo do século XX Élie Metchnikoff levantou a hipótese de que o envelhecimento é causado por bactérias tóxicas no intestino e, portanto, para evitá-lo, bebia leite azedo todos os dias, até que finalmente morreu na idade relativamente decente de 71 anos. E, até recentemente, ainda pensávamos em doenças tardias, como doença cardíaca, diabetes e câncer, independentemente da idade.

Hoje, temos vidas mais longas do que nunca, mas muitos de nós sofrem nos últimos anos atormentados por demência e doenças. Recentemente, o transhumanismo, a genética, o envelhecimento das populações globais e o ecletismo do Silicon Valley resultaram em um crescimento na pesquisa que busca diminuir a marcha do tempo biológico. Quase todas as descobertas em biologia humana vieram com uma nova teoria sobre o envelhecimento e, inevitavelmente, como impedi-lo. A morte pode ser o fim inexorável da vida, mas nós vamos morrer lutando.

“Este campo tem muitas coisas que recebem atenção demais, e nada vem delas.”

Nos anos 1970, a onda moderna da ciência do envelhecimento estava começando a ganhar fôlego. A pesquisa ainda estava travada em perguntas como se o exercício poderia ajudá-lo a envelhecer melhor, mas pelo menos os cientistas estavam começando a fazer as perguntas certas.

“Por causa da diversidade das taxas de envelhecimento entre diferentes indivíduos, bem como entre diferentes sistemas de órgãos dentro do mesmo indivíduo, é óbvio que nenhuma resposta específica pode ser dada à questão: ‘Quando a idade começa?’ “, observou na década de 1970 o pioneiro cientista do envelhecimento Nathan W. Shock. “O envelhecimento é um equilíbrio dinâmico. O animal individual em qualquer idade é resultado de processos de acumulação e degradação que ocorrem simultaneamente.”

Em 1972, é seguro dizer que os pesquisadores do estudo de Dunedin não estavam sonhando em um dia encontrar uma cura para o longo e lento declínio da vida. Em vez disso, eles estavam interessados nos problemas de saúde de indivíduos de três anos de idade. Mas o financiamento continuou a chegar, e a pesquisa continuou enquanto os participantes do estudo cresceram, saíram de casa e se espalharam pelo mundo.

“À medida que o nosso grupo entrou na meia-idade, chegamos a ver nosso novo nicho no processo de envelhecimento”, disse Richie Poulton, diretor de longa data do estudo de Dunedin, ao Gizmodo, em uma visita ao seu lotado escritório em um pequeno prédio satélite da universidade que também abriga os escritórios da equipe de rúgbi.

O estudo mudou de curso e estabeleceu uma nova missão. Primeiro, eles descobriram quem, dentre os mil participantes do estudo, envelheceu melhor e pior. Então, tentaram descobrir o porquê.

Para Poulton e seus colegas, o verdadeiro interesse por trás do trabalho não é ajudar os bilionários do Vale do Silício a viverem até os 125 anos. O declínio das taxas de fertilidade, o envelhecimento dos baby boomers e o aumento da expectativa de vida estão levando ao envelhecimento das populações, colocando pressão sobre os sistemas governamentais. Se as pessoas pudessem envelhecer sem que sua saúde sofresse tanto, seria uma grande vantagem para o orçamento dos governos em todo o mundo. Isso é parte de por que o estudo de uma pequena cidade na Nova Zelândia recebeu mais de US$ 12,5 milhões de dólares de governos de fora da Nova Zelândia, incluindo os EUA, para a pesquisa.

“Coisas como a perda da visão e da audição representam uma enorme carga econômica para os governos”, disse Poulton, que começou como entrevistador no estudo há 33 anos, quando tinha apenas 22 anos. “Pessoas que estão envelhecendo mal neste momento provavelmente são aquelas que mais sofrem mais tarde. Os governos estão muito interessados em saber quem usa a maioria dos serviços e como encontrá-los preventivamente.”

Lis Nielsen, chefe da Divisão de Processos de Comportamento Individual no Instituto Nacional de Envelhecimento dos Estados Unidos, disse que a agência tem um interesse especial na pesquisa que mostra os eventos que determinam a forma como as pessoas envelhecem.

“Existem fortes evidências epidemiológicas que apoiam os vínculos entre exposição a adversidades no início da vida (pobreza, má nutrição, maus-tratos) e a saúde tardia e mortalidade da vida”, disse ela ao Gizmodo por email. “A pesquisa é necessária para entender melhor quem é responsável por essas associações.”

Ela apontou para um estudo recente que descobriu que adversidades na infância estavam associadas com telômeros curtos mais tarde na vida, um biomarcador para o envelhecimento, além de outro que encontrou a relação entre um trauma na infância e o aumento da inflamação em idades mais avançadas.

“Os pesquisadores utilizando dados longitudinais estão contribuindo cada vez mais para esclarecer como as circunstâncias ao longo da vida afetam o envelhecimento”, disse. “À medida que os conjuntos de dados longitudinais começam a cobrir períodos mais longos de vida, as questões de resiliência e reversibilidade dos efeitos na infância podem agora ser abordadas.”

O estudo Dunedin não é o primeiro a investigar o envelhecimento ao longo do tempo. Reconhecendo que o envelhecimento da população é uma poderosa força econômica que direciona importantes recursos governamentais, os governos em toda a parte, da Índia até a Holanda, investiram em estudos longitudinais que procuram, de forma semelhante, rastrear a saúde e o bem-estar das populações à medida que envelhecem. Ainda assim, a maioria desses estudos nem sequer começa até que seus participantes estejam na meia-idade, se não mais velhos. Em outras palavras, quando seus corpos já começaram a envelhecer.

Mas o envelhecimento é um processo da vida inteira. Começa no dia em que você nasceu. Para qualquer terapia evitar com eficácia o golpe do tempo, muitos suspeitam que teremos que começar a abordar questões de envelhecimento muito antes de duas taças de vinho começarem a dar ressaca. As coisas que acontecem com você enquanto adolescente ou criança também afetam o quão bem você envelhecerá mais tarde. Provavelmente ainda estamos longe de terapias que realmente retardam os efeitos do tempo, mas o estudo de Dunedin pode fornecer pistas cruciais sobre quais estratégias podem funcionar melhor.

“A tradução de descobertas de ciência básica em intervenções para o envelhecimento está atrasada porque praticamente nada é conhecido sobre o processo de envelhecimento biológico durante a primeira metade da vida”, disse Poulton. “Iremos identificar atributos que separam indivíduos cujos corpos são meses ou anos mais novos ou mais velhos do que sua idade cronológica. Com isso, vamos gerar descobertas para retardar o envelhecimento, prevenir doenças relacionadas com a idade e melhorar a qualidade de vidas mais longas.”

Agora, a startup Unity Biotechnology está fazendo drogas para eliminar as células senescentes que impedem a produção de novos tecidos e parecem espalhar inflamação em todo o corpo à medida que envelhece. O Calico apoiado pelo Google está rastreando mil camundongos desde o nascimento até a morte para tentar determinar “biomarcadores” do envelhecimento. Outros visam os telômeros, tentando alongá-los na teoria de que os telômeros mais longos protegem as células do envelhecimento. O reconhecido geneticista George Church e sua equipe em Harvard identificaram 45 variantes de genes retiradas de supercentenários, bem como leveduras, vermes, moscas e outros animais que podem ser responsáveis por vidas muito longas. Mas por não compreendermos ainda os mecanismos básicos sobre quais partes do corpo estimulam o envelhecimento ou por que, a maioria das terapias visando o envelhecimento é, essencialmente, um tiro cego.

“A maioria dos cientistas biomédicos pensa em uma doença por vez, em vez do sistema de envelhecimento que causa todas essas doenças”, disse Matt Kaeberlein, cientista da Universidade de Washington que estuda o envelhecimento, ao Gizmodo. “Esse campo tem muitas coisas que recebem atenção demais, e nada vem delas. Não temos uma boa maneira de levar as coisas do laboratório para o mundo real. É difícil para nós mesmos definir o que é o envelhecimento.”

É difícil saber todos os fatores que podem ajudar a acelerar ou a diminuir o envelhecimento se você não começar a rastrear essas coisas quando uma pessoa ainda é jovem.

“O conceito de idade biológica subjaz tudo o que estamos fazendo na biologia básica.”

“Se o envelhecimento é o tipo de processo biológico básico que achamos que conduz as doenças, devemos ver as sutis mudanças acumuladas ao longo do tempo”, disse Dan Belsky, cientista que estuda envelhecimento na Universidade Duke e trabalha no estudo Dunedin. “Esta é uma oportunidade para examinar como a vida das pessoas se desenrola.”

Belsky disse que na raiz da pesquisa de envelhecimento estão três questões básicas: como as medidas para a idade biológica podem ser utilizadas para desenvolver intervenções clínicas, identificando pessoas que podem envelhecer rapidamente no início do tratamento preventivo? Quais são os papéis que os fatores genéticos, ambientais e pessoais desempenham na definição de quem envelhece mais rápido? As medidas do envelhecimento biológico podem ser usadas para por fim identificar os mecanismos moleculares do envelhecimento? O estudo Dunedin diz respeito principalmente aos dois últimos.

“O conceito de idade biológica subjaz tudo o que estamos fazendo na biologia básica”, disse Kaeberlein. “Aceitamos que existem processos moleculares que definem o que é o processo de envelhecimento. Se aceitarmos que existem essas características do envelhecimento, então podemos mudar a taxa desses processos moleculares? Se pudermos, estamos falando sobre a modificação da idade biológica, e não do tempo.”

Em 2015, o estudo publicou sua primeira pesquisa significativa sobre o envelhecimento, um trabalho que analisou os participantes aos 26, 32 e 38 anos, e descobriu que, enquanto a maioria deles envelhecia em um ritmo normal, acumulando um ano de mudanças fisiológicas a cada ano cronológico, alguns envelheceram muito mais rápido ou lentamente. As idades “biológicas” dos de 38 anos variaram de 30 anos a quase 60, com base em biomarcadores identificados no metabolismo, fígado, rins, sistema cardiovascular, dentes, sistema imunológico, bem como função respiratória, envelhecimento facial e comprimento do telômero.

Alguns envelheceram tanto quanto três “anos” em um ano, mostrando pior equilíbrio, coordenação e força total do que os seus pares, e já enfrentavam dificuldades com tarefas básicas do cotidiano, como carregar compras do mercado. Essas pessoas de envelhecimento rápido já começaram a sofrer declínio cognitivo. E eles também pareciam bem mais velhos.

“Tem um cara, ele tinha 60 anos”, disse Poulton. “Nós não revelamos resultados aos nossos participantes, mas ele sabe quem ele é.” O estudo também começou a esclarecer como diferentes fatores em toda a vida de uma pessoa afetam essas taxas.

“Estamos falando sobre a modificação da idade biológica, e não do tempo.”

“Não são apenas medicamentos que podem resolver esse problema”, disse Bruce McEwen, que estuda neuroendocrinologia na Universidade Rockefeller. “Mudanças no estilo de vida, atividade física ou seu sistema de apoio podem ter um efeito real na sua saúde a longo prazo.”

No estudo de Dunedin, características como a classe econômica, por exemplo, ou se alguém passou por experiências difíceis na infância, se relacionam com a forma como envelheceram. Mais de 40% dos que pareciam envelhecer em um ritmo acelerado também faziam parte de um grupo marcado por histórias pessoais de “alto risco”.

Outra pesquisa similarmente sugeriu que coisas como drogas, transtorno pós-traumático ou até mesmo sermos vítimas de racismo podem nos fazer envelhecer precocemente.

Mas a enorme quantidade de dados no Estudo de Dunedin, que abrange o curso de muitas décadas e toda a vida de seus participantes, torna seu conjunto de dados especialmente notável. E já que seus participantes estão chegando agora à meia-idade, quando o corpo começa a mostrar sinais mais fisiológicos de declínio, é provável que os dados rastreiem informações cada vez mais importantes nos próximos anos.

No futuro, Poulton e outros pesquisadores planejam testar a forma como os eventos mais cedo na vida afetam a funcionalidade cerebral mais tarde na vida e o impacto desses eventos sobre a doença e o envelhecimento. Eles planejam testar como as diferenças em quatro cubos neurais específicos afetam comportamentos que se correlacionam com o envelhecimento “bem-sucedido”. E avaliarão como essas coisas se correlacionam com a idade biológica, assim como deverão continuar rastreando os biomarcadores do envelhecimento.

O estudo está no momento no meio de sua avaliação de 45 anos, que começou no início deste ano e terminará ao final de 2017. Ao fim dessa coleta de dados, os pesquisadores esperam ter uma melhor compreensão do complexo processo de envelhecimento, obtendo informações específicas sobre problemas como quem desenvolve problemas como doença renal crônica e por que.

“No final das contas, o que queremos fazer é fornecer ferramentas aos médicos”, disse Belsky. A coisa mais importante sobre o estudo, disse, é que ele está estudando uma ampla gama de pessoas, quase todas nascidas durante um ano em uma cidade da Nova Zelândia, por um longo período de tempo, enquanto elas simplesmente continuam a viver suas vidas.

“O que torna este trabalho tão valioso é que nossos dados não são extraordinários de nenhuma forma”, disse ele.

O estudo Dunedin pode não ser conhecido mundialmente, mas na Nova Zelândia, é famoso. Foi recentemente o tema de uma série de documentário de várias partes e uma exposição de museu. Em março, depois de quatro décadas, obteve seu próprio lugar no campus da Universidade de Otago. À medida que os participantes envelhecem e o conjunto de dados aumenta, os cientistas esperam que a quantidade de trabalho aumente exponencialmente.

Esses cientistas também defenderam que outros pesquisadores que estudam o envelhecimento comecem a procurar respostas nas populações mais jovens.

“Sabe-se agora que exposições a riscos potencialmente preveníveis e as causas da doença relacionada à idade começam na primeira infância”, escreveram em um artigo sobre a falta de estudos de envelhecimento que examinam os jovens.

Os pesquisadores também começaram a estudar os filhos dos participantes, não só para avaliar as habilidades parentais, mas para entender como a saúde, os comportamentos e as perspectivas se traduzem através das gerações.

Quando o filho mais velho de Smith tinha dois anos, os pesquisadores gravaram ele e seu filho brincando juntos.

Recentemente, eles também começaram a fotografar o rosto de Smith, para rastrear mudanças na aparência ao longo do tempo. E, no último teste, os pesquisadores abandonaram os exercícios de bicicleta habituais para os participantes: o ciclismo tornou-se muito difícil para muitos de seus colegas, então eles o substituíram por andar.

Smith, no entanto, pensa que ele provavelmente é médio, em algum lugar no meio do grupo.

“Eu me sinto bem pra minha idade”, disse ele.

Imagem do topo: Sam Woolley/Gizmodo