Arqueólogos da África do Sul descobriram leitos rudimentares que os primeiros humanos fizeram colocando maços de grama sobre uma camada de cinzas. Parece básico, mas essas camas da Idade da Pedra eram mais sofisticadas do que parecem à primeira vista.

“Nós relatamos a descoberta de camas de grama usadas para criar áreas confortáveis para dormir e trabalhar por pessoas que viviam na Border Cave há pelo menos 200 mil anos”, declararam os autores em estudo publicado na Science na semana passada.

Border Cave, um abrigo rochoso localizado nas montanhas Lebombo perto da fronteira da África do Sul com Essuatíni (antiga Suazilândia), foi ocupada intermitentemente por humanos de aproximadamente 227 mil anos atrás e 1.000 anos atrás. A cama de grama encontrada no local é a mais antiga no registro arqueológico — o recorde anterior era uma cama de grama de 77 mil anos em Sibudu, na África do Sul.

Entendendo o estudo

Ossos massacrados, ferramentas de pedra e pinturas em cavernas obviamente fornecem um vislumbre da existência paleolítica, mas há muito sobre os povos da Idade da Pedra que não sabemos, incluindo alguns dos aspectos mais mundanos da vida diária. Sem as evidências necessárias, no entanto, os arqueólogos não podem tirar conclusões precipitadas. O material vegetal não se preserva bem ao longo de vastas escalas de tempo, destacando a importância das novas evidências encontradas na Border Cave.

Border Cave fica nas montanhas Lebombo, na África do Sul. Crédito: A. KrugerBorder Cave fica nas montanhas Lebombo, na África do Sul. Crédito: A. Kruger

Este abrigo rochoso é bastante amplo, com porções interiores bem protegidas das intempéries, permitindo uma excelente preservação dos materiais orgânicos escondidos no interior.

Escavações na Broder Cave de 2015 a 2019 revelaram vestígios de “grama fossilizada efêmera”, nas palavras de Lyn Wadley, autora principal do novo estudo de arqueologia da Universidade de Withwatersrand na África do Sul.

Escavações na Border Cave, na África do Sul. Crédito: D. StratfordEscavações na Border Cave, na África do Sul. Crédito: D. Stratford

Cama bem fofinha

“A camada de grama teria sido bastante espessa — provavelmente com uma espessura de pelo menos 30 centímetros — e colocada sobre uma base de cinza limpa e macia, então seria tão confortável quanto qualquer cama de acampamento ou palheiro”, explicou Wadley em um e-mail.

Era em cima dessa cama de grama que os humanos do Paleolítico dormiam, moldavam ferramentas de pedra e, possivelmente, até argila colorida, que eles podem ter usado para pintar objetos e até eles próprios. Embora não tenhamos certeza, estas camas de grama provavelmente também eram usadas para, digamos, fins mais recreativos.

Durante as escavações, a equipe de Wadley descobriu uma camada fina e estranha embutida no chão da caverna. Suspeitando de algo importante, os arqueólogos cortaram pequenos pedaços, envolveram-nos em uma cobertura protetora de gesso e os enviaram a um laboratório para análises posteriores. Lá, os pesquisadores investigaram as amostras com microscópio eletrônico de varredura e espectômetro, além de fazer uma análise de fitólitos, na qual são extraídos materiais vegetais de amostras de solo e sedimentos.

Este trabalho produziu evidências de células de folhas bilobadas, espinhos, estômatos e outras estruturas de grama. O material vegetal foi identificado como pertencente à família Panicoideae, que inclui um capim conhecido como Panicum maximum. Incrivelmente, essa grama “cresce profusamente perto da caverna hoje”, disse Wadley.

 99/5000 Imagem do microscópio eletrônico de varredura de uma amostra de caverna, mostrando espinhos e estômatos. Imagem: L. WadleyImagem do microscópio eletrônico de varredura de uma amostra de caverna, mostrando espinhos e estômatos. Imagem: L. Wadley

Como os autores hipotetizam no estudo, as pessoas que viveram na Border Cave usavam maços desta grama para produzir uma forragem. Curiosamente, a grama foi colocada sobre camadas de cinzas. Isso provavelmente proporcionou maior conforto e uma superfície isolante limpa, mas, como os autores apontam no estudo, as cinzas também ofereciam certa proteção:

Especulamos que a instalação da cama, assim como o fato de ter cinzas previamente queimadas, foi deliberada, porque várias etnografias relatam que a cinza repele insetos rastejantes, que não podem ser mover facilmente através do pó fino porque bloqueia sua respiração e seu mecanismo de morder e eventualmente os deixa desidratados.

O fato de os primeiros humanos queimarem regularmente suas camas de grama despertou nossa curiosidade, então pedimos a Wadley que explicasse esse comportamento aparentemente contraintuitivo.

“Queimar forragem de grama livra o acampamento de pragas, de ratos a pulgas, e limpa áreas fuliginosas [obsoletas]”, explicou ela. “A grama fresca seria então trazida para criar camas novas e limpas, e então seria possível ocupar o local por mais tempo, caso contrário, ela teria que ser abandonada”.

Felizmente, esta cama de 200 mil anos em particular não foi queimada, o que sugere que o local foi abandonado e a cama não foi reabastecida após aquela ocupação específica, explicou ela. Camadas queimadas encontradas abaixo desta cama indicam que a prática começou muito cedo. Quanto às cinzas, as evidências coletadas na Border Cave sugerem que foram provenientes de camas em chamas e fogueiras.

Curiosamente, os pesquisadores também encontraram vestígios de flocos de pedra e fabricação de lâminas nas camas, bem como partículas de argila moídas. Assim, verifica-se que essas camas de grama, além de proporcionarem um local confortável para dormir, também eram um local para a realização de tarefas diárias. É possível, claro, que a argila não tenha sido processada nessas camas e que os pigmentos vermelho e laranja tenham caído de sua pele enquanto esses humanos descansavam. De qualquer forma, ainda é uma observação muito interessante.

Quando questionada se estes maços de grama poderiam ter sido usados para algo diferente que não fosse uma cama, como isca em fogueiras, por exemplo, Wadley disse que a grama foi arrumada de maneira deliberada, muitas vezes ao longo de vários metros, o que sugere um desejo de criar superfícies limpas para dormir e trabalhar. Também perguntamos se esse maços de grama poderiam ter se acumulado naturalmente, sem intervenção humana.

“Os pássaros fazem ninhos e alguns animais dormem na grama, então essa é uma boa pergunta”, disse Wadley. “As camadas de cama ficam na parte de trás da caverna, protegida do vento e potencialmente protegidas de predadores quando fogos são feitos na frente deles. A caverna está completamente seca e nada cresce nela, então a grama na parte de trás da caverna foi trazida para lá; não poderia crescer no interior da caverna”.

Além do mais, a caverna está à beira de um penhasco, tornando improvável que a grama crescesse dentro da caverna, disse ela.

“A grama ocorre em camadas e nas camadas estão ferramentas de pedra, ossos de alimentos, madeira, ou seja, coisas que as pessoas teriam usado em superfícies limpas que funcionariam bem como áreas de dormir”, disse Wadley. “Ao lado das camas estão pequenas lareiras que seriam para uso doméstico e para manter os predadores afastados. Este tipo de arranjo é uma espécie de acampamento típico de caçadores-coletores”.

Como Wadley explicou, essa descoberta aparentemente simples de cama de grama de 200 mil anos tem algumas implicações antropológicas muito significativas. Mostra que os primeiros humanos que viveram nessa época — cerca de 100 mil anos após a estreia do Homo Sapiens — já estavam usando seus cérebros para resolver problemas e inovar, o que é uma marca registrada de nossa espécie. Estes humanos também tiveram a capacidade de criar e utilizar o fogo e de encontrar utilidades para os seus subprodutos, como as cinzas e o fumo medicinal.

“Com o uso de cinzas e plantas medicinais para repelir insetos, percebemos que eles tinham algum conhecimento farmacológico”, acrescentou. “Além disso, eles poderiam estender sua estadia nos acampamentos preferidos, planejando com antecedência e limpando-os formando camas. Eles, portanto, tinham algum conhecimento básico de cuidados de saúde por meio da prática de higiene”.

Claramente, livrar-se de pragas problemáticas era um passatempo regular para esses humanos do Paleolítico. Não só isso, parece que eles ficaram muito bons nisso, encontrando maneiras inovadoras de manter suas casas livres de insetos rastejantes. Como mostra esta pesquisa, desejar e manter uma cama confortável e bem cuidada é uma atividade temporal.