O corpo humano tem muitos truques bacanas para se manter vivo pelo maior tempo possível, e os cientistas ainda não chegaram nem perto de descobrir todos eles. Como exemplo disso, uma equipe de pesquisadores esta semana descreve um tipo de célula anteriormente desconhecida perto do coração que ajuda a curar lesões. A descoberta pode levar a novas terapias ou, no mínimo, mudar a forma como os cirurgiões cardíacos operam nosso órgão mais precioso, de acordo com os pesquisadores.

Quando um órgão do nosso corpo sofre uma lesão, existem basicamente duas principais fontes de ajuda: as células dentro do órgão e as células sanguíneas que podem alcançá-lo através das redes de vasos que circulam por todo o corpo. Essas células do sangue podem ajudar a limpar os detritos e células moribundas do local da lesão, sinalizar o processo de reconstrução para substituir células perdidas e afastar invasores estrangeiros, como bactérias ou vírus.

Mas nos últimos anos, cientistas da Universidade de Calgary e em outros locais encontraram evidências de certas células sanguíneas na bolsa de líquido que envolve os órgãos abdominais, conhecida como cavidade peritoneal. Essas células parecem ser um subtipo de glóbulos brancos chamado macrófago, e expressam uma proteína conhecida como GATA6 (devido a estas últimas, elas são chamadas células GATA6 +). Elas parecem ser a versão celular de um kit de primeiros socorros, capaz de correr rapidamente para o local da lesão sem a necessidade da corrente sanguínea, já que as células estão literalmente fora do órgão.

Nossos órgãos abdominais não são os únicos envolvidos por um bolsa de líquido, no entanto. O coração tem o seu próprio, chamado de cavidade pericárdica. Assim, de acordo com o autor do estudo, Paul Fedak, um cirurgião cardíaco da Universidade de Calgary, foi o próximo lugar lógico para procurar por essas células GATA6 +. A pesquisa, publicada na terça-feira (16) na revista Immunity, detalha seu trabalho com ratos e pessoas.

Foi bastante fácil para a equipe encontrar células GATA6 + dentro da cavidade pericárdica de camundongos quando seus corações estavam lesionados, mas eles também os encontraram em amostras do pericárdio (o revestimento da cavidade) coletadas de pacientes humanos com corações feridos. Supondo que essas células sejam a solução, há a questão óbvia de por que elas só agora foram descobertas. Mas a resposta é simples, de acordo com Fedak – ninguém estava realmente olhando.

“Na maioria dos casos, os médicos que estudam ratos removem o pericárdio para fazer pesquisas e perdem as células antes de começarem os experimentos”, disse Fedak ao Gizmodo por telefone. “Muitos médicos também removem o pericárdio”.

As implicações potenciais da pesquisa podem ser grandes, uma vez que o próprio coração não é bom em se recuperar. Embora as células GATA6 + não ajudem a combater infecções, como outras células brancas do sangue podem, seu foco especializado em reparar o coração após uma lesão pode torná-las uma fonte inexplorada de cura que futuras pesquisas poderiam explorar e amplificar.

“Sempre soubemos que o coração fica dentro de um saco cheio de um fluido estranho. Agora sabemos que esse fluido pericárdico é rico em células de cura”, disse Fedak. “Essas células podem ser o segredo do reparo e regeneração do novo músculo cardíaco. As possibilidades de novas descobertas e novas terapias inovadoras são animadoras e importantes”.

Novos tratamentos médicos são ótimos, mas mesmo que essa pesquisa valha a pena, levaria anos até que os benefícios cheguem ao público. Um impacto mais imediato que seu trabalho poderia ter no campo da medicina cardíaca, disse Fedak, é fazer os cirurgiões pensarem duas vezes sobre como eles operam um coração lesionado.

“Primeiro, não remova o pericárdio durante a cirurgia humana. Segundo, você poderia colher essas células, expandi-las e entregá-las aos pacientes”, disse ele.

Ainda há muito trabalho de base que precisa ser feito para entender como essas células curam o coração. Um aspecto que Fedak e sua equipe planejam explorar em um futuro próximo é como elas parecem impedir que o músculo cardíaco se torne espesso e enrijeça de forma anormal à medida que o órgão é reparado, uma condição chamada fibrose que aumenta o risco de insuficiência cardíaca. Se eles puderem encontrar a molécula específica ou moléculas usadas por essas células, e replicá-las no laboratório, isso pode abrir caminho para um novo tratamento.

“Além disso, podemos agora ver o espaço ao redor do coração como uma janela terapêutica”, disse Fedak. Estudos que injetaram células-tronco diretamente nos corações das pessoas com doenças cardíacas, como forma de alavancar o processo de cura, tiveram resultados mistos na melhor das hipóteses até agora, observou ele. Mas talvez precisemos começar a pensar fora da caixa – e dentro da bolsa de líquido.

“Esta é uma nova maneira de olhar para a terapia celular para corações lesionados, e também uma nova linha de células e, possivelmente, novos mecanismos de reparação”, disse Fedak.