Os cientistas continuam descobrindo vírus estranhos em todo o mundo. Nesta semana, pesquisadores detalharam suas descobertas de bacteriófagos, vírus que infectam bactérias, relativamente gigantescos. Esses micro-organismos grandes não apenas superam em tamanho os vírus típicos – eles também parecem capazes de truques complexos, normalmente vistos apenas nos seres vivos.

Nos últimos anos, tomamos conhecimento de todos os tipos de vírus muito maiores do que o habitual, alguns ainda maiores que certas bactérias. Não é apenas o tamanho físico que torna esses vírus grandes; é a genética deles. O vírus influenza A possui oito genes, por exemplo, totalizando 13 mil pares de bases de DNA. Mas os maiores vírus descobertos até agora têm centenas de genes, com mais de um milhão de pares de bases, e podem ser visíveis sob os microscópios mais fracos.

Esses vírus gigantes, como vieram a ser conhecidos, foram amplamente encontrados em amebas, geralmente em ambientes distantes dos seres humanos. Mas os pesquisadores agora descobriram fagos igualmente grandes em locais mais incomuns e mais próximos de nós. No ano passado, uma equipe documentou grandes fagos que vivem dentro das bactérias intestinais das pessoas em Bangladesh. Em um novo estudo publicado hoje na Nature, essa mesma equipe já forneceu evidências de fagos ainda maiores vivendo em todo o mundo.

O mundo dos vírus “é muito mais complicado e interessante do que se acreditava anteriormente”.

Atualmente, os cientistas estudam e descobrem novos vírus na sopa coletiva de DNA de amostras colhidas no meio ambiente. Nesse caso, os pesquisadores analisaram amostras coletadas de cocô humano e animal, corpos de água doce e salgada, sedimentos lamacentos e fontes termais, entre outros ambientes. Em seguida, eles excluíram quaisquer micróbios que provavelmente não eram fagos, incluindo outros vírus. Finalmente, eles tentaram reconstruir os genomas do que restava.

“Os genomas [que descobrimos] são grandes, alguns muito maiores que os fagos ‘típicos'”, disse ao Gizmodo a autora do estudo Jill Banfield, professora de ciências da terra e planetárias da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Banfield e sua equipe dizem ter identificado mais de 300 tipos de fagos maiores que 200.000 pares de bases. O maior deles tinha mais de 735.000 pares de bases – mais de 10 vezes o tamanho genético do fago médio. Esses “enormes fagos”, como a equipe os apelidou, também pareciam ter genes normalmente encontrados em organismos e células vivos, genes que deveriam deixá-los realizar alguns truques bastante complexos.

Muitos dos enormes fagos, por exemplo, possuem genes importantes para um sistema usado por bactérias para combater vírus, conhecido como CRISPR. Embora muitos de nós pensem no CRISPR como uma tecnologia bacana de edição de genes, suas origens são um sistema imunológico antigo usado por bactérias (assim como outro ramo da vida unicelular, chamado archaea) para cortar o DNA de vírus hostis que quer infectá-los. Esses genes relevantes para o CRISPR, disse o autor do estudo Basem Al-Shayeb ao Gizmodo, podem ser usados ​​por enormes fagos para amplificar as defesas de seus hospedeiros, em uma forma de “guerra inter-viral para atingir e destruir outros vírus que competem pela mesma célula hospedeira”.

As novas descobertas são apenas as mais recentes a ilustrar quão pouco entendemos os vírus. As habilidades realistas vistas em grandes vírus confundem a imagem do que realmente é um vírus – normalmente visto como uma entidade não viva. Mesmo entre os vírus grandes, as coisas não são tão simples.

Fagos enormes, embora parecidos em alguns aspectos com outros vírus gigantes, provavelmente não estão intimamente relacionados a eles, da mesma maneira que bactérias não estão intimamente relacionadas a amebas ou outros eucariotos (organismos cujas células têm um núcleo distinto). Em vez disso, argumenta a equipe, eles pertencem a grupos ou linhagens totalmente diferentes de vírus. Dos mais de 350 fagos enormes que foram encontrados, a equipe os dividiu em 10 grupos separados, cada um com um nome que significa “enorme” no idioma nativo de um coautor. O grupo norte-americano? “Whopperphage”.

Embora os vírus gigantes que amam amebas possam não ser um problema para as pessoas, o mesmo pode não ser verdade para fagos enormes. Sabe-se que os fagos que vivem no intestino humano influenciam o microbioma intestinal, o que poderia afetar o risco das pessoas de contrair certas doenças. Eles também podem transferir genes para bactérias que podem torná-las mais resistentes a antibióticos ou mais propensas a causar doenças. No momento, porém, a pesquisa sobre os efeitos dos fagos na saúde é limitada. Ao mesmo tempo, os cientistas podem melhorar ferramentas como o CRISPR estudando esses vírus estranhos.

O que certamente é verdade, disse Banfield, é que o mundo dos vírus – infectando amebas, pessoas ou bactérias – “é muito mais complicado e interessante do que se pensava anteriormente”.