Os números e as estatísticas dos incêndios florestais na Austrália são horrorosos. As chamas queimaram mais de 100 mil km². A fumaça viajou mais de 11 mil quilômetros. Isso tudo após o ano mais quente já registrado no país.

Mas talvez não haja nada mais chocante do que o número de animais atingidos pelas chamas. Um número impressionante de 1,25 bilhão de animais pode ter morrido nos incêndios, segundo estimativas de Chris Dickman, ecologista da Universidade de Nova Gales do Sul e do World Wildlife Fund (WWF) na Austrália.

As perdas significam que as florestas da Austrália podem nunca mais ser as mesmas e mostram que a mudança climática é uma forma de violência contra o mundo natural.

O conceito de um bilhão de coisas é difícil de entender, especialmente quando aplicado a cangurus, coalas, vombates, cangurus, cobras e outras criaturas que estão mortas ou morrendo. No entanto, está acontecendo aqui, no mundo em que estamos vivendo.

A estimativa foi feita usando uma metodologia desenvolvida por Dickman e outros em um relatório de 2007 para o WWF na Austrália, que descobriu que, para cada 1,6 milhão de acres (pouco mais de 6.400 km²) de terra australiana desmatada, 104 milhões de animais pereceriam.

Aplicado aos incêndios, o modelo mostra um nível de carnificina quase inédito no mundo natural em um período tão curto de tempo. Enquanto muitos animais morreram nas chamas, outros que sobreviveram podem estar com ferimentos que os matarão. Ou eles podem morrer por falta de comida e água nas florestas agora queimadas. Um comunicado da Universidade de Nova Gales do Sul observa que a metodologia produz uma estimativa conservadora e não inclui insetos, sapos ou morcegos.

Além do grande número, houve histórias trágicas e heroicas de australianos que correram para proteger a natureza dos estragos de uma catástrofe induzida pelas mudanças climáticas.

As pessoas têm resgatado animais selvagens que estão sofrendo de desidratação e queimaduras nas estradas e cuidam deles da melhor maneira possível. Cães foram enviados em busca de animais ainda vivos entre as florestas queimadas. Pessoas de todo o mundo também contribuíram com mais de US$ 5,5 milhões para ajudar o Hospital Port Macquarie Koala a cuidar de marsupiais feridos.

E, no entanto, apesar de todas essas histórias que dão esperança e aquecem corações, ainda existem as trágicas, como o coala que foi resgatado, mas acabou sendo sacrificado, ou a Ilha Kangaroo, onde pássaros ameaçados de extinção, como a cacatua preta brilhante, podem enfrentar um futuro incerto depois de um terço da ilha ter sido queimada.

Daniella Teixeira, pesquisadora da Universidade de Queensland que estuda as cacatuas da ilha Kangaroo, disse ao Guardian que “as principais áreas de alimentação e reprodução” foram destruídas. Uma estimativa no final de dezembro observou que Nova Gales do Sul perdeu quase 30% de sua população de coalas.

O que será da Austrália quando os incêndios são finalmente apagados é altamente incerto. Eles estão ocorrendo em um ecossistema descrito pelos ecologistas como mediterrâneo devido à natureza semi-árida. Califórnia, África do Sul, Portugal e Espanha são outros locais florestais de clima mediterrâneo, e os incêndios os devastaram mais nos últimos anos, à medida que as mudanças climáticas elevam as temperaturas e deixam o tempo ainda mais seco.

O alarmante relatório de extinção do ano passado observa que efeito de incêndios, fragmentação de habitat, esgotamento de água e outros males causados ​​pelo homem sobre esses tipos de florestas é “difícil de prever” e que incêndios cada vez maiores estão modificando “a composição da vegetação (de florestas de coníferas a paisagens dominadas por árvores de folhas largas, arbustos e pastagens) e diminuindo sua maior resistência a incêndios”.

Isso significa que as florestas terão mais dificuldade em se recuperar, assim como os animais que dependem delas para seu sustento e sua proteção. Não é de admirar que o relatório chegue à conclusão de que até um milhão de espécies estão em risco de extinção.

De fato, o número exorbitante de animais mortos dos incêndios florestais é um grande golpe para não apenas a vida selvagem da Austrália, mas também a biodiversidade do mundo. Devido ao isolamento do país, existem muitas espécies por lá que não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Enquanto a megafauna como cangurus e fauna média como coalas atraiu mais atenção, outras espécies podem ter sido perdidas para sempre. E o mundo será mais pobre sem elas.