Um grupo de cientistas está questionando o único estudo disponível que valida a controversa vacina contra COVID-19 que está sendo desenvolvida pelo governo russo. Eles dizem ter encontrado “potenciais inconsistências de dados” que fazem com que algumas conclusões não sejam genuínas.

O estudo da vacina russa foi publicada na Lancet na semana passada. Era um teste de fase 1/2 envolvendo 78 voluntários saudáveis, que receberam um ou duas doses da vacina experimental, chamada de Sputnik V. Não houve relatos de efeitos adversos graves entre os voluntários — que é o objetivo destes ensaios científicos — e também foram encontradas evidências de voluntários com resposta imune ao coronavírus, o que poderia, teoricamente, protegê-los da infecção.

Os resultados foram bem recebidos pela comunidade científica num primeiro momento, dada a falta anterior de qualquer evidência publicada sobre a vacina russa Sputnik V. A vacina foi aprovada pelas autoridades russas para uso um mês antes, aparentemente com bases nesses dados.

Ainda não está claro se essa aprovação realmente vai fazer com que os russos recebam a vacina antes do que as pessoas de outros países. Um teste de fase 3 da Sputnik V começou no final de agosto — geralmente, esta é a última etapa da pesquisa clínica necessária antes que um tratamento possa ser lançado no mercado.

Em uma carta aberta à Lancet e aos autores do estudo, assinada por mais de 35 cientistas e divulgada esta semana, os pesquisadores afirmam que suspeitam dos dados apresentados pelo artigo publicado na revista científica. A carta foi apoiada predominantemente por cientistas envolvidos em imunologia, biologia ou desenvolvimento de medicações. Ela inclui profissionais que trabalham na Europa, na América do Norte e na Venezuela (o único cientista da Rússia é Max Tushin, um microbiologista e geneticista da Universidade de Kazan).

A carta destaca aspectos dos dados que eles estão chamando de duvidosos, em outras palavras. Os voluntários foram divididos em vários grupos de tratamento, testando variações da vacina que eram congeladas ou liofilizadas ou recebendo apenas uma das duas doses da vacina para testes de segurança. A carta aponta para itens que mostram que alguns desses diferentes grupos de tratamento tiveram níveis muito semelhantes ou mesmo idênticos de anticorpos ou outras respostas imunes pós-inoculação.

Em outros casos, o nível de anticorpos parece não ter diminuído nem um pouco no mesmo grupo durante a duração do estudo, que levou mais de um mês. Eles também se mostraram preocupados com a falta de informações disponíveis sobre um grupo de pessoas com COVID-19 apresentado no estudo, usado para comparar com as respostas imunológicas do grupo vacinado.

Por si só, qualquer uma dessas coisas pode não ser um grande problema. Mas embora os especialistas não cheguem a acusar de fraude explicitamente os pesquisadores do estudo, eles concluem que “o fato de observar tantos pontos de dados preservados entre experimentos diferentes é altamente improvável”.

A carta pede uma investigação sobre o estudo pela Lancet, juntamente com a divulgação dos dados brutos do estudo, em nível individual, para ajudar a resolver essas questões. De acordo com um comunicado divulgado pela Lancet, a carta foi compartilhada com os autores do estudo e a editora agora os incentiva a “se envolverem na discussão científica”.

Denis Logunov, autor principal do estudo da Lancet, ainda não respondeu a um pedido de comentário sobre a carta.

Esta notícia vem na esteira das recentes dificuldades para outra vacina de COVID-19, a desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. Neste caso, a preocupação é que uma mulher voluntária do estudo desenvolveu sintomas neurológicos. Até o momento não se sabe se os sintomas estão ou não relacionados com a vacina.

Se esta carta levar à descoberta de dados fabricados, infelizmente não seria a primeira vez que a Lancet se envolveria em um escândalo desse tipo durante a pandemia. Em junho, a revista científica removeu um estudo sugerindo que a droga hidroxicloroquina era ineficaz para pacientes graves de COVID-19 e possivelmente aumentava o risco de morte, depois que cientistas não relacionados a esta pesquisa descobriram que os dados hospitalares foram provavelmente fabricados. Dados de outro ensaio clínico descobriram que a hidroxicloroquina não é tão eficaz quanto outras terapias para COVID-19, mas não necessariamente perigosa.