A descoberta pode levar a uma nova geração de aparelhos médicos que podem monitorar o açúcar no sangue ou a atividade elétrica no coração. Tais aparelhos cortam as necessidades de energia em até 90% para uma rede de monitoramento, comparados com dispositivos wireless movidos a bateria.

Os pesquisadores sul-coreanos colocaram dois eletrodos a cerca de 30cm de distância em um braço humano e descobriram que ondas eletromagnéticas de baixa frequencia viajam com facilidade através da pele sem nenhuma interferência externa.

O estudo superou tentativas passadas ao usar pequenos eletrodos de metal cobertos de um polímero rico em silicone, o que permitou ao aparelho ser dobrado a 90 graus por 700.000 vezes sem incidentes. Cada eletrodo tem a espessura de três fios de cabelo humanos.

Isso pode não ser tão surpreendente vindo da Coreia do Sul, conhecida por ser talvez o melhor lugar do mundo em relação à estrutura de internet. Mas não conseguimos não imaginar se os pesquisadores não estiveram assistindo um pouco de Battlestar Galactica, dada a tendência de uma certa Cylon a plugar cabos de dado em seu braço para se consultar diretamente com um computador. Não que estejamos falando sobre cérebros que se comunicam diretamente com aparelhos. Ainda. [New Scientist]