Em um cinema, você não pode atirar em um pirata com balas — mas luz infravermelha dá conta do recado.

A Sharp, a pedido do Instituto Nacional de Informática do Japão, desenvolveu um método para estragar o vídeo que piratas gravam com câmeras em salas de cinema. Ao colocar megaluzes de infravermelho por trás da tela — luzes invisíveis ao olho humano, é claro —, elas vazam por pequenos orifícios já presentes na tela para a passagem do som.



O resultado é uma invasão de luz surgindo da tela e estragando o "rip" CAM do pirata. Outro resultado é que, já que você jamais vai comprar um ingresso pra ver Wolverine, você só vai saber como o filme é ruim quando passar na TNT. [Fareastgizmos]

Nota: infelizmente o brilho causado pelo infravermelho não ficará tão da hora quanto nesta imagem. Acho que deve ser uma grade de luzes, não esse brilho de luz do sol.