O homem perdeu a sua habilidade de falar após um trauma na cabeça que provocou grande sangramento na área da ponte do seu tronco encefálico. Os pesquisadores o inseriram em uma máquina de ressonância magnética funcional e pediu para ele tentar produzir vogais específicas. Após determinar que o seu cérebro ainda funcionava normalmente, eles implantaram um eletrodo diretamente nas suas áreas de produção da fala.

O eletrodo por si só já é uma maravilha da ciência, contendo fatores neurotrópicos que permitem que o tecido cresça dentro e em torno dele. Apesar disto soar meio nojento, isto estabiliza o eletrodo e permite que ele resida por muito tempo dentro do cérebro. Por enquanto ele só consegue captar vogais, mas a equipe da Universidade de Boston torce para que este tipo de tecnologia permita que mudos produzam palavras diretamente em uns cinco anos. [The Future of Things]