Um novo estudo publicado na Nature sugere que mudar a atenção do leitor online pode ajudar a combater a disseminação de informações imprecisas. O artigo, publicado em 17 de março de 2021, descobriu que embora as pessoas prefiram compartilhar conteúdos verdadeiros, é difícil convencer o usuário médio de mídia social a procurá-los antes de compartilhar. Adicionar um obstáculo na forma de uma solicitação para classificar a precisão das informações pode realmente alterar a qualidade do que eles compartilham online.

“Essas descobertas indicam que as pessoas muitas vezes compartilham informações incorretas porque sua atenção está focada em outros fatores além da precisão — e, portanto, eles não conseguem implementar uma preferência fortemente sustentada por compartilhar um conteúdo preciso”, escrevem os autores, sugerindo que as pessoas geralmente querem fazer o bem, mas muitas vezes falham no calor do momento.

“Nossos resultados desafiam a afirmação popular de que as pessoas valorizam o partidarismo em vez da precisão e fornecem evidências para intervenções escalonáveis ​​baseadas na atenção que as plataformas de mídia social poderiam facilmente implementar para combater a desinformação online”.

O artigo, de coautoria de David Rand, Gordon Pennycook, Ziv Epstein, Mohsen Mosleh, Antonio Arechar e Dean Eckles, chega a sugerir uma solução.

Em primeiro lugar, os pesquisadores confirmaram que era a precisão e não a política partidária de qualquer tipo que preocupava o usuário médio das redes sociais. Embora houvesse um viés de uma forma ou de outra na tendência de compartilhar informações, os pesquisadores descobriram que a maioria dos 1.001 indivíduos escolheu a precisão ao invés de conteúdo sensível ou potencialmente “polêmico”.

Os pesquisadores recomendaram obstáculos no que diz respeito ao compartilhamento de notícias e informações online, reduzindo assim a chance de uma matéria imprecisa passar despercebida pelo censor interno do leitor. De acordo com o estudo:

Para testar se esses resultados poderiam ser aplicados nas redes sociais, os pesquisadores realizaram um experimento de campo no Twitter. “Criamos um conjunto de contas de bot e enviamos mensagens para 5.379 usuários do Twitter que regularmente compartilhavam links para sites de desinformação”, explica Mosleh. “Assim como nos experimentos de pesquisa, a mensagem perguntava se um título não político aleatório era verdadeiro, para fazer os usuários pensarem sobre o conceito de precisão.” Os pesquisadores descobriram que, depois de ler a mensagem, os usuários compartilhavam notícias de sites de alta qualidade, conforme julgado por verificadores de fatos profissionais.

Em outras palavras, muitos usuários não compartilham notícias falsas porque querem, mas porque não pensam no que estão compartilhando antes de pressionarem o botão. Ao desacelerar o processo, perguntando aos usuários se eles realmente confiam em um título ou uma fonte de notícias, eles se mostram muito mais propensos a pensar duas vezes antes de compartilhar informações erradas.

Assine a newsletter do Gizmodo

A equipe trabalhou em uma série de sugestões de mudanças na interface do usuário, incluindo simplesmente pedir ao leitor para ser cético em relação às manchetes. Eles implementaram várias delas para o projeto de segurança da internet Jigsaw, do Google.

Captura de tela: Jigsaw

Os avisos e notificações colocam o usuário no centro da questão da precisão das informações, envolvendo-os assim em pensamento crítico em vez de compartilhamento sem sentido. Outras interfaces simplesmente mostram avisos antes de você continuar lendo, uma mudança bem-vinda na atitude típica de simplesmente clicar que a maioria de nós tem ao navegar na internet.

“As empresas de mídia social, por design, têm focado a atenção das pessoas no engajamento”, disse Rand. “Mas eles não precisam apenas prestar atenção ao engajamento — você também pode fazer coisas proativas para redirecionar a atenção dos usuários para a precisão.”