Depois de toda a polêmica envolvendo seus novos termos de uso, surgiram rumores de que o Instagram havia perdido usuários. Não é verdade: eles divulgaram que 90 milhões de usuários publicaram fotos no serviço durante o último mês, um aumento de 10% em relação a dezembro.

São 40 milhões de fotos enviadas por dia, 8.500 likes por segundo e 1.000 comentários por segundo.

As estatísticas, divulgadas esta semana pelo Instagram, chegam poucos dias antes dos seus novos termos de uso começarem a valer, em 19 de janeiro.

Uma versão dos novos termos causou bastante confusão, indicando que o Instagram poderia vender suas fotos, e fazer o que quisesse com seus dados – inclusive usá-los para propaganda. Essa bagunça levou até a uma ação judicial coletiva contra o Instagram nos EUA.

Felizmente, os termos atualizados deixam claro que “o Instagram não reivindica a propriedade de qualquer Conteúdo que você poste no ou através do Serviço”. E eles reverteram a parte sobre propaganda para a versão original, de 2010. Mas vale notar que ela sempre disse o seguinte:

Parte do Serviço é mantida por receita proveniente de publicidade, e o Serviço pode exibir anúncios e promoções, e você concorda que o Instagram pode colocar tais anúncios e promoções no Serviço ou em, próximo a, ou em conjunto com o seu conteúdo. A maneira, modo e abrangência da publicidade e promoções estão sujeitos a alterações sem aviso prévio específico ao usuário.

Ou seja, no futuro poderemos, sim, ver propagandas no Instagram. Vale notar que eles se reservam ao direito de fazer isso desde 2010, e até hoje o serviço não tem anúncios. Mas como o Instagram é uma empresa, não um serviço público, eles precisam ganhar dinheiro de alguma forma – especialmente agora que eles pertencem ao Facebook.

No entanto, há algo de novo sobre propaganda nos novos termos de uso: “Você reconhece que nem sempre vamos identificar serviços pagos, conteúdo patrocinado, ou de comunicações comerciais como tal”. Ou seja, nem sempre você saberá quando está olhando para um anúncio.

Fora isso, as principais mudanças são:

  • o Instagram pode se integrar a serviços de terceiros, como o Facebook;
  • o Instagram agora proíbe você de “vender, transferir, licenciar ou atribuir a sua conta, seguidores, nome de usuário, ou quaisquer direitos de conta” para outras pessoas;
  • o Instagram proíbe que você processe a empresa em tribunal com júri ou através de ação coletiva – quase todo problema jurídico deve ser resolvido através de arbitragem.

Você pode conferir os novos termos aqui; e compará-los com os termos antigos aqui. Se você não concordar com eles, o jeito é sair do serviço. Você os aceitará automaticamente a partir de 19 de janeiro. [AllThingsD via The Next Web; Termos de Uso via G1 e Folha]