Diversas empresas adotam tecnologias de Inteligência Artificial (IA) para atender seus clientes. Algumas companhias optam pelo uso de avatares em seus sites e aplicativos, que podem ajudar as pessoas a fazer compras ou mesmo tirar dúvidas bancárias. 

Essas ferramentas, no entanto, ainda estão “dentro” do computador. Pense agora na possibilidade desses avatares saírem das telas, andando lado a lado de outros profissionais. Em resumo, imagine a integração de uma realidade virtual ao mundo real. 

Uma experiência do tipo foi vivida recentemente por pesquisadores do Sabará Hospital Infantil, em São Paulo. Uma equipe de médicos contou com o auxílio da doutora Geex, uma assistente em holograma, para realizar uma cirurgia dentro do metaverso. 

Quem conduziu o procedimento foi Giselle Coelho, neurocirurgiã pediátrica da instituição. Durante a operação, ela usava óculos do metaverso, que permitiam a médica ter acesso ao mundo real e virtual ao mesmo tempo. Coelho conseguia ainda ouvir as instruções da doutora Geex, mesmo sem fones de ouvido.

A equipe realizou a simulação de uma neurocirurgia de biópsia de um tumor cerebral por endoscopia. A criança operada era, na verdade, um boneco hiper-realista. O paciente, impresso em 3D, foi baseado em exames reais e características físicas de um bebê atendido no hospital. 

Segundo os pesquisadores, essa foi a primeira cirurgia realizada no metaverso do mundo. Todo o procedimento foi acompanhado por especialistas internacionais. Os cientistas acreditam que, no futuro, avatares como a doutora Geex poderão orientar estudantes do mundo todo, identificando erros e corrigindo-os quando necessário.