Uma série de variantes genéticas pode influenciar o domínio da mão (se você é destro ou canhoto), de acordo com um novo artigo.

Não, os pesquisadores não descobriram um “gene da mão”. Mas, através de imagens do cérebro de 9.000 pessoas no Reino Unido, os pesquisadores criaram uma lista de variações genéticas que contribuem para a maneira como diferentes processos cerebrais terminam em cada lado do cérebro. Isso, por sua vez, influencia o domínio da mão – e também pode influenciar se alguém irá desenvolver certas doenças neurológicas, de acordo com o artigo publicado na revista Brain.

“As diferenças na distribuição do domínio das mãos é uma característica exclusivamente humana. Sabemos pela arte pré-histórica que cerca de 90% dos seres humanos são destros há pelo menos 10.000 anos ”, disse o autor correspondente do estudo, Dominic Furniss, ao Gizmodo por e-mail. “Muitos outros animais têm uma distribuição muito mais uniforme de indivíduos canhotos e destros. Portanto, começar a entender o que é responsável por essa distribuição nos seres humanos nos ajuda a começar a entender a pergunta ‘o que nos torna humanos?’”

Apesar de sua onipresença para a experiência humana, há muitas questões não resolvidas relacionadas ao domínio da mão, como diferenças entre cérebros de destros e canhotos e a influência da genética.

Furniss, professor associado da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e seus colaboradores se basearam em dados do UK Biobank, um estudo com 500.000 pessoas que ofereceram seus dados físicos e genéticos, além de registros médicos, para o estudo. Os pesquisadores analisaram especificamente os dados, incluindo imagens do cérebro, de 721 canhotos e 6.685 destros incluídos no conjunto.

A análise revelou quatro localizações em nossos genomas cuja identidade estava associada à esquerda, três das quais também estavam associadas ao desenvolvimento do cérebro, especificamente áreas relacionadas à linguagem.

“Descobrimos que, em participantes canhotos, as áreas de linguagem dos lados esquerdo e direito do cérebro se comunicam de maneira mais coordenada”, Akira Wiberg, pesquisadora da Universidade de Oxford e primeira autora do estudo, disse em um comunicado à imprensa.

Mas a pesquisa também revelou ligações entre essas regiões e vários problemas neurológicos e psiquiátricos relacionados à saúde, incluindo uma maior probabilidade de ter esquizofrenia e anorexia nervosa e uma menor probabilidade de ter a doença de Parkinson, de acordo com o artigo. Os efeitos desses genes nas doenças ainda são “relativamente modestos”, escrevem os autores.

É um trabalho emocionante. “Este é o primeiro estudo que relata uma associação estatisticamente significativa com a mão humana na população em geral”, disse Silvia Paracchini, geneticista da Universidade de St. Andrews, que não está envolvida no estudo, por email ao Gizmodo. “Ao mesmo tempo, essas associações têm um efeito muito pequeno, e ainda há muito a ser explicado sobre o domínio da mão. O domínio da mão é intuitivamente uma característica muito simples, mas é provável que resulte das interações de muitos fatores diferentes ainda a serem identificados”.

É importante observar que este estudo se propôs a encontrar correlações nos dados de uma população específica. Não é um elo conclusivo entre genes e o domínio da mão, nem entre o domínio da mão e condições neurológicas. Os autores afirmam que um estudo de replicação com outro grande grupo de pessoas seria necessário para confirmar seus resultados. “Nós não descobrimos ‘o gene da mão’”, disse Furniss. Em vez disso, o estudo constata que “a probabilidade de ser canhoto é influenciada por muitas variantes genéticas e outros fatores não genéticos, os quais influenciam a estrutura e a função do cérebro”.

Ainda assim, é um trabalho emocionante e o primeiro estudo desse tipo. E como canhoto, é legal entender melhor como meu cérebro estranho funciona.