Um comandante militar da Nicarágua invadiu um território da Costa Rica, e ordenou as tropas a retirar uma bandeira da Costa Rica e erguer uma da Nicarágua. Seria este o trabalho de um comandante imprudente, rebelando-se contra seus superiores? Uma nova política de imperialismo da Nicarágua? Nenhum dos dois. O incidente foi causado por um erro no Google Maps.

O site SearchEngineLand traduz os detalhes do maior jornal da Costa Rica, La Nación, segundo o qual o comandante Eden Pastora colocou a culpa da invasão em uma fronteira enganosa no Google Maps, que estava errada por uma distância de 3.000 metros.

O jornal La Nación aponta uma disparidade entre as fronteiras no Bing e no Google. Nós destacamos a área em questão:

Um porta-voz do Google não tinha certeza do que poderia ter causado o erro no mapa. Qualquer que seja a resposta, isto poderia ser uma boa campanha de marketing pro Bing: "Bing, o site de buscas que não causa disputas internacionais".

Claro, você pode culpar as forças armadas da Nicarágua por usar o Google Maps: ele pode ser bastante útil no dia a dia, mas é uma ferramenta relativamente imprecisa para uso oficial perto de fronteiras. Mas faz três anos que a Marinha Britânica teve o mesmo problema, entrando em águas iranianas por acidente (e o Irã é bem mais perigoso que a Costa Rica, que nem tem um exército em tempo integral) e culpando seu equipamento GPS de nível militar pelo erro. Um mês antes, o exército suíço invadiu Liechtenstein em um exercício de treinamento – porque, segundo eles, estava escuro. Este, pelo menos, seria um erro de fronteira que o Google Maps poderia ter ajudado a evitar. 

[Foto por Alex Steffler/Flickr]

A Fast Company estimula inovadores a desafiar as normas e a criar o futuro dos negócios.