Você já viu esse incrível viral da Levi’s? Ele mostra um homem caminhando da uma costa à outra dos EUA em stop motion. É basicamente uma propaganda, mas o efeito que causa é genuíno. Um grupo de caras viajou mesmo pelo país, tirando uma foto de cada vez:

Perceba que o equipamento foi absurdamente simples: uma DSLR (Canon EOS 5D Mark II), um transferidor, um tripé e uma trena. É incrível perceber que praticamente qualquer um de nós pode ter os recursos para realizar algo assim hoje em dia. Inclusive os 14 dias de férias necessários para fazer uma viagem desse tamanho. 

Mesmo longa-metragens como A Noiva Cadáver foram feitos com câmeras de nível semi-profissional, em vez de uma daquelas câmeras gigantes e caríssimas que sempre foram exclusividade dos estúdios. Stop-motion sempre foi uma arte para os pacientes tanto quanto para os ricos. O comercial nos lembra de como as tecnologias digitais chegaram longe. 

Câmeras e softwares de edição de vídeo se tornaram o que a pintura a óleo já foi: não necessariamente barata, mas acessível o bastante para que quase qualquer pessoa crie uma obra de nível profissional, bastando ter a criatividade e a técnica. 

Para aqueles entre nós que sempre pensaram que poderiam competir de igual com os Spielbergs do mundo, se apenas tivessem a oportunidade, bem, parece que a oportunidade está aí. [Petapixel]