Pelo menos duas companhias aéreas adotaram a brilhante ideia de permitir que os passageiros tentem se sentar o mais longe possível de bebês em aviões.

Não posso confirmar isso, mas com base em minhas décadas de experiências em voos, acredito que é uma impossibilidade científica um bebê passar uma viagem inteira sem se queixar com a ferocidade de alguém que prendeu o dedo em uma porta. Também é inevitável que, se houver uma criança no meu voo, ela esteja sentada a alguns metros de mim.

E tudo bem! Os bebês também precisam voar. Imagino que os pais que viajam com eles tenham o suficiente para se preocupar. Então, eu apenas aceito qualquer dano que esteja sendo causado aos meus tímpanos.

Mas se eu voar com a Japan Airlines (JAL) ou com a All Nippon Airways, posso reservar um assento que não esteja perto de uma criança pequena. A JAL anunciou recentemente que agora usa uma ferramenta de reserva que mostra onde crianças de dois anos ou menos estão sentadas. O Guardian relata que a All Nippon Airways já tinha esse recurso.


Tradução: Obrigado, @JAL_Official_jp por me alertar onde bebês planejam chorar e gritar durante um voo de 13 horas. Isso deveria ser mandatório no embarque.
Por favor, fique sabendo, @qatarairways: eu tive que aguentar 3 bebês chorando ao meu lado no voo JFK-DOH há duas semanas.

O recurso pode não funcionar se os pais fizerem a reserva por meio de serviços de terceiros. A JAL observa em seu site que os ícones do bebê podem não mostrar que um voo foi alterado antes da partida.

Espero que as companhias aéreas de todo o munco comecem a adotar essa ferramenta. Embora eu imagine que, se a moda pegar, as empresas usarão isso como uma forma de cobrar mais por determinados assentos.