Temos um novo competidor no espaço de música por streaming. Na quinta-feira (17), o Google anunciou o YouTube Music, sua mais recente tentativa de fazer fãs de música pagarem por streaming ilimitado. O novo serviço chega em 22 de maio nos EUA, mas como ele vai se comparar com Spotify, Apple Music e outros serviços de streaming, como o SoundCloud e o Tidal? Eis tudo que você precisa saber sobre o YouTube Music até agora, caso esteja curioso com a possibilidade de trocar para a plataforma mais nova no pedaço.

YouTube Music é anunciado e muda o esquema de streaming do Google

Recursos

Embora o YouTube Music ainda não esteja disponível, capturas de tela do serviço sugerem que ele funcionará bastante como o Spotify. Você poderá usar o serviço para navegar por músicas e álbuns, salvá-los na biblioteca, encontrar músicas em tendência e explorar e criar playlists.

Captura de tela: YouTube (Google)

Pitchfork informou que o YouTube Music usará o Google Assistente para ajudar a recomendar músicas baseadas em seus hábitos de audição, no momento do dia e no local em que você está. O fator diferenciador original do Apple Music costumava ser álbuns exclusivos de artistas como Drake, porém, agora, seus principais recursos únicos são os programas de sua rádio Beats 1 e a relação de playlists. O Spotify oferece suas próprias playlists editoriais, junto com playlists personalizadas, como a Your Daily Mix, e o serviço começou a fazer seu próprio podcast. De forma parecida, o Tidal também oferece uma série de podcasts exclusivos e conteúdo editorial.

Por fim, em 2018, os recursos dessas plataformas estão cada vez mais se embaralhando e ficando parecidos. Deixando o catálogo de vídeos expansivo do YouTube Music de lado, a sua preferência pode tender para a plataforma à qual você já dedicou mais tempo e energia, mantendo e fazendo a curadoria de suas próprias playlists.

Catálogo

A vantagem diferente do YouTube Music em comparação com todos esses outros serviços de streaming é o seu catálogo. O Apple Music conta com mais de 45 milhões de músicas, enquanto Amazon Music, Spotify, SoundCloud Go e Tidal oferecem dezenas de milhões de músicas —certamente mais músicas do que alguém poderia ouvir em sua vida inteira.

Captura de tela: YouTube (Google)

A vantagem do YouTube Music nesse espaço é simplesmente o fato de que ele não só oferece música oficialmente licenciada, mas também covers, remixes e gravações de shows feitas pelos usuários. Mesmo memes desencadeados por canções podem ser oferecidos. Essa gama de opções é algo contra a qual nenhuma outra plataforma de streaming de música consegue competir da mesma maneira.

Preço

O novo serviço do Google virá em dois patamares. Tem o YouTube Music, de graça, com anúncios, e o YouTube Music Premium, que custará US$ 10 por um acesso às músicas sem anúncios, com a possibilidade de ouvir em segundo plano (para que, quando você minimizar o app no seu telefone, a música continue tocando) — ainda não há informações de lançamento ou preço para o Brasil.

Isso o coloca no mesmo nível de preço de Apple Music, Spotify, SoundCloud e Tidal. O Amazon Music, que é gratuito se você for assinante do Amazon Prime, oferece uma versão de US$ 8 que vem com acesso à toda a biblioteca de músicas da Amazon. O SoundCloud oferece uma versão de US$ 5 sem anúncios e com a chance de ouvir músicas offline, mas não permite o acesso ao seu catálogo de músicas oficialmente licenciada.

Para assinantes do YouTube Premium (este é o novo nome para o serviço sem anúncios YouTube Red), uma assinatura do YouTube Music Premium será entregue de graça.

Anúncios

Se você não quiser pagar US$ 10 pela categoria sem anúncios do YouTube Music, então você vai se deparar com anúncios enquanto ouve suas músicas. Tanto Spotify quanto SoundCloud oferecem opções de ouvir com anúncios em seus serviços, mas Apple Music, Amazon Music e Tidal não oferecem essa opção.

Disponibilidade

Em seu lançamento na terça-feira (22), o YouTube Music só estará disponível em Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia e México. O Google diz que o serviço vai, “em breve”, se expandir para Áustria, Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Noruega, Rússia, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido — mais uma vez, sem indícios de quando chegará ao Brasil.

O Apple Music é o serviço de streaming de música mais amplamente disponível, alcançando 115 países. O Spotify pode ser encontrado em 67 países, e o SoundCloud Go, versão premium do SoundCloud, só pode ser usado em menos de 20 países. Porém, se você não mora em um país em que o YouTube Music é oferecido, isso não te exclui de simplesmente abrir o app normal do YouTube e assistir a clipes. Além disso é possível baixar alguns conteúdos da plataforma de vídeo por meio do aplicativo YouTube Go.