O professor de uma universidade americana criou um programa com poderes de bola de cristal, que funciona basicamente para prever a probabilidade de assassinatos – especificamente, se prisioneiros da Pensilvânia matarão novamente.

Richard Berk, professor da Universidade da Pensilvânia, entrou com sucesso no departamento de serviços e vigilância nos departamentos de polícia da Filadélfia e de Baltimore, e recebeu U$ 228.000 para criar um programa que pudesse ser usado em casos de liberdade condicional.

É um sistema de absorção de números de alta tecnologia, com milhares de informações sobre os detentos com detalhes atualizados, juntamente com informações sobre sua libertação. Ele ajudará a criar perfis e padrões de comportamento, e quando o sistema estiver pronto, o usuário terá como obter uma predição mais precisa sobre como os prisioneiros agirão quando forem soltos, baseados em casos similares.

Eles serão capazes de ver que tipo de detentos costumam matar de novo após serem soltos, com alguns fatos já estabelecidos – que normalmente eles são homens com menos de 30 anos, e cometeram seu primeiro ato de violência quando tinham cerca de 13 anos. Jura? Nunca tinha reparado. [The Morning Call via DVICE]