Quem acompanha o Gizmodo tem na ponta da língua o que é o tal “direito de reparo” — um movimento internacional que busca garantir que os consumidores possam consertar os seus próprios produtos eletrônicos. Enquanto esse movimento não deslancha de vez, a empresa holandesa Fairphone está vendendo celulares em que os usuários podem não apenas reparar, mas também personalizar.

A marca vem desenvolvendo um aparelho que permite trocar individualmente — em poucos minutos — todos os recursos importantes de um smartphone, como tela, bateria e câmeras.

Assim, se algum recurso do celular der algum problema — ou precisar de uma atualização –, basta trocar o componente defeituoso, sem que o usuário precise comprar um novo aparelho. No modelo mais recente, o Fairphone 4, nenhuma parte é colada. Então, é possível repará-lo facilmente com uma chave de fenda padrão. As instruções, assim como as peças de reposição, são fornecidas pela empresa.

Esse conceito não é apenas bom para o consumidor, mas também para o meio ambiente. O Fairphone, afinal, é reciclável, durável e reparável, contribuindo para a redução da quantidade de lixo eletrônico no planeta.

Celular modulável

O conceito não é novo. Por volta de 2016, três grandes empresas — LG, Motorola e Google — anunciaram que estavam desenvolvendo projetos de celulares modulares. Porém, nenhum dos projetos vingaram até o momento. Mais recentemente, a Xiaomi também registrou uma patente, se mostrando interessada em investir na ideia.

Por outro lado, empresas menores, como a Fairphone, estão mais empenhadas neste mercado, levantando bandeiras como sustentabilidade, maior customização de produtos, além de melhor acessibilidade.

“Sabemos que ao aumentar a vida útil de um telefone em pelo menos dois anos, você obtém uma redução de 30% nas emissões de CO2”, diz o cofundador da Fairphone, Miquel Ballester, à BBC.

Fairphone 4, o celular modular, consertável e atualizável. Imagem: Fairphone/Divulgação

Fairphone 4

Até agora, cerca de 400 mil dispositivos da Fairphone já foram vendidos, um volume ainda pequeno, mas que começa a se expandir na Europa, principalmente na Alemanha, onde o projeto recebeu vários prêmios e certificações.

Por enquanto, o aparelho não é vendido oficialmente no Brasil. Lá fora, o Fairphone 4 — com 128 GB de armazenamento, 6 GB de RAM, câmera dupla, Android 11 conectividade 5G e 5 anos de garantia — é vendido por € 579 (R$ 3.256,55 na cotação atual do euro).