O estádio mais popular do Brasil está, neste exato instante, destroçado. Sem arquibancadas, sem gramado, cheio de barulho. Mas por uma boa causa, esperamos: ele está sendo modernizado para a Copa do Mundo de 2014 — e para a Copa das Confederações de 2013. Hoje, surgiram imagens e detalhes sobre como será o Maracanã futurista. Confira.

Em vez de cobrir o Maracanã de vez ou bolar sistemas de cobertura retrátil, o projeto buscou outra solução: uma gigantesca lona tensionada, feita com fibra de vidro translúcida, protegerá a torcida da chuva e garantirá a presença do sol nos domingos ferventes do Rio de Janeiro — e ainda promete esfriar a cuca do público. Para completar, ela não é aderente e é autolimpante.

Para economizar na conta de luz — que costuma ser um dos maiores gastos de manutenção dos clubes — o novo estádio terá 23.500 lâmpadas de LED, além de 3.860 alto-falantes (haja gritaria), 314 câmeras de segurança, 360 TVs de 42 polegadas para monitoramento e 4 telões de 100 metros quadrados para projeções.

O projeto ainda prevê um sistema de captação de água da chuva, buscando reduzir em até 50% o consumo — a água reaproveitada será usada para irrigação do gramado e nos banheiros do estádio.

Apesar do uso de tecnologias bem atuais e da promessa de tornar o estádio que encerrará a Copa do Mundo em um dos mais modernos do mundo, a etiqueta da reforma não anda agradando muito: antes orçado em R$705 milhões, o gasto agora será de R$956 milhões, justamente por causa da cobertura cheia de pose. Vale lembrar que o Ninho do Pássaro, estádio na China utilizado nas Olimpíadas e tido como um dos mais completos e revolucionários, custou R$800 milhões — e foi criado do zero. Já o estádio olímpico de Berlim, reformado para a Copa de 2006, custou R$450 milhões. [Folha]