Já vou adiantar e colocar aqui um GIF para fingir estar chocada. Aparentemente, os usuários do Twitter não são as únicas pessoas desapontadas com a rede social. Membros do Conselho de Segurança e Confiança disseram que o Twitter não tem dado notícias durante meses sobre mudanças nas políticas da empresa, de acordo com uma matéria da Wired.

Na sexta-feira (23), o site da revista publicou uma carta enviada à equipe da companhia no início desta semana assinada por “membros do Conselho de Segurança e Confiança do Twitter”. Nela, eles descrevem a falta de comunicação entre a empresa e o conselho como “constrangedora” e pedem conversas com o CEO Jack Dorsey.

“Não houve nenhum alerta antecipado ao conselho sobre mudanças nas políticas ou nos produtos do Twitter, deixando muitos de nós sem aviso prévio ou muito menos conhecimento para responder a perguntas da imprensa e da mídia”, diz a carta, que você pode ler na íntegra aqui.

Nos últimos meses, o Twitter revisou suas políticas com linguagem mais clara, encolhendo suas regras de 2.500 palavras para menos de 600. Depois, a empresa atualizou como a plataforma define e modera a “conduta odiosa”, uma medida que supostamente não deixou as organizações de direitos civis nem um pouco satisfeitas.

Os membros do Conselho de Segurança e Confiança não são funcionários do Twitter, mas sim um grupo de defensores da segurança, organizações comunitárias e pesquisadores. Eles colaboram com a empresa para ajudar a conter problemas como incitação ao ódio e assédio que afetaram a plataforma há anos.

Originalmente formado em 2016, o conselho abriga cerca de 40 organizações e mais de uma dúzia de especialistas de todo o mundo, de acordo com o post que anunciava sua formação.

Para ser justo com o Twitter, a carta começa elogiando sua colaboração com o conselho nos últimos dois anos. Os membros do Conselho elogiaram particularmente a cúpula anual do Conselho de Segurança e Confiança da empresa. Eles dizem que a do ano passado foi “o melhor exemplo de uma maneira de trabalhar com parceiros de segurança em toda a indústria”.

No entanto, a carta continua descrevendo um colapso na comunicação pouco depois desses eventos. A última atualização para o grupo foi em dezembro, afirma o documento, e a falta de notícias sobre quaisquer melhorias ou medidas discutidas nessas cúpulas tem sido frustrante.

E embora alguns membros do conselho supostamente tenham recebido atualizações de representantes corporativos, outros “não ouviram absolutamente nada” de seus contatos regionais no Twitter do começo de 2019 até agora, de acordo com a carta.

O diretor de estratégia de políticas públicas do Twitter, Nick Pickles, fez a seguinte declaração sobre a matéria da Wired:

“Estamos discutindo maneiras de melhorar como trabalhamos com parceiros, especialistas e defensores, inclusive conversando com nossos membros do Conselho de Segurança e Confiança. Dessas conversas, ouvimos que um grupo pequeno e centralizado não reflete o papel do Twitter no mundo, por isso estamos trabalhando em maneiras de ouvir mais regularmente a partir de uma gama mais diversificada de vozes. Continuamos comprometidos em trabalhar com parceiros para manter as pessoas seguras no Twitter. ”