O Gizmodo é o maior e melhor site de tecnologia do mundo. Temos 60 milhões de page views/mês e 8 milhões de unique visitors/mês nos Estados Unidos.

Existem oito operações do Gizmodo fora dos Estados Unidos: Reino Unido, França, Itália, Espanha, Alemanha, Holanda, Japão e Austrália. O Gizmodo Brasil é a décima operação do Gizmodo no mundo. A primeira nas Américas, fora o Gizmodo original. E a primeira em um país do grupo BRIC.

Enxergamos tecnologia sempre aplicada a produtos. Gadgets, aparelhos, traquitanas e badulaques com alto teor de tecnologia e de design. Ou seja: Gizmos. Daí o nome do site. Produtos que são objeto de desejo nos interessam. Produtos inovadores, sexies, sensacionais, que mudam as regras do jogo e que fazem o queixo cair.

O Gizmodo é um templo. Trata-se de uma igreja onde os tech lovers, a comunidade geek no mundo e no Brasil, vai para realizar um culto. E o objeto desse culto são os mais espetaculares produtos já criados pelo ser humano.

O Gizmodo não fala tecniquês. Nós traduzimos a tecnologia para todos que estiverem curiosos em imergir nesse mundo maravilhoso de sonho e realizações. Ou seja: não gostamos de excluir ninguém. Gostamos de ser pop. Somos geeks, não somos nerds. (Ou pelo menos não gostamos de admitir…)

O Gizmodo, ao mesmo tempo, nutre e idolatra o heavy user. Produzimos conteúdo para atrair os usuários de tecnologia mais disputados, desejados e instruídos do mercado. Cultivamos os trend setters. Mas gostamos também de convidar todo mundo a entrar, sentar e curtir.

Adoramos ser pautados pelos usuários. Adoramos quando um usuário do Gizmodo surpreende nossos editores com uma sugestão, uma indicação, uma dica ou um furo. Se pudéssemos, beijaríamos esses caras na boca. (OK, talvez um aperto de mão já esteja de bom tamanho.)

O conteúdo do Gizmodo é desenhado tanto para fazer sonhar, para levar o usuário ao futuro ou a uma realidade paralela, quanto para ensinar o sujeito a tirar o máximo da máquina que ele tem no bolso. Ou seja: de um lado, há um plano onírico, recheado de tecnologia e design, e, de outro lado, um plano prático, racional, de utilização e funcionalidades.