O programa espacial russo da nave Buran durou muito pouco – apenas um voo, na verdade. Mas de acordo com o cosmonauta Oleg Kotov, que já esteve na Estação Espacial Internacional, a espaçonave tinha um grande potencial, ultrapassando a rival americana tanto em salvar vidas como em destruí-las.

Kotov conversou com a New Scientist, explicando que o design da espaçonave Buran era superior por causa da segurança:

Ela teria permitido que toda a equipe escapasse em qualquer momento do voo; mesmo na base de lançamento havia um módulo de escape. A equipe de voo da NASA não tem essa oportunidade. A Buran tinha assentos ejetáveis para todos os membros da equipe. E isso inclui os que ficam no meio da cabine, que tinham assentos que ejetavam de lado.

A Buran poderia também ter evitado o terrível destino da Challenger, ao evitar a necessidade de combustível sólido na forma de espuma, que pode causar problemas:

Nós não tínhamos um tanque externo: o orbitador Buran ficava encaixado a um foguete Energia, não a um tanque. E esse foguete não precisava de espuma na sua superfície.

Mas e essa história de lançar bombas?

Ela foi criada originalmente como um sistema militar para lançar armas, quem sabe até armas nucleares… Um ônibus espacial é particularmente útil para isso porque ele pode mudar de órbita e trajetória – então é quase impossível se proteger de um ataque dele.

Bom que a Guerra Fria e os planos da Buran acabaram… [New Scientist]