Um novo estudo lançado esta semana é o mais recente a sugerir que os efeitos do covid-19 podem se estender além da doença aguda inicial. Os pesquisadores descobriram que cerca de uma em cada cinco pessoas diagnosticadas com covid-19 apresentaram um episódio de transtorno mental e/ou insônia nos três meses seguintes – uma taxa mais alta do que em pessoas que ficaram doentes, mas não foram diagnosticadas com covid-19 durante o mesmo período. Esses sobreviventes também experimentaram um risco maior de demência após contraírem covid-19.

A nova pesquisa, publicada no Lancet Psychiatry na segunda-feira (9), analisou registros médicos anônimos de um banco de dados de 69,8 milhões de pacientes nos EUA. Destes, mais de 62.000 pacientes foram diagnosticados com covid-19 entre 20 de janeiro e 1º de agosto de 2020, e 44.000 não tinham histórico de transtorno mental. Os pesquisadores compararam os resultados de saúde mental desses pacientes aos de pacientes diagnosticados com uma das seis outras condições médicas, incluindo gripe ou outras infecções respiratórias, um osso quebrado, uma infecção de pele e pedras nos rins. Esses outros pacientes eram usados ​​como uma espécie de controle, uma vez que muitos problemas agudos de saúde são conhecidos por afetar a saúde mental de uma pessoa, pelo menos temporariamente.

Ao todo, em quase todos os marcadores de saúde mental ou neurológica que os pesquisadores analisaram, as pessoas com covid-19 confirmado pareciam estar em pior situação.

Cerca de 18% das pessoas foram diagnosticadas com doenças psiquiátricas comuns, como transtorno de ansiedade generalizada, depressão grave ou outros transtornos de humor nos 14 a 90 dias após o diagnóstico de covid-19; isso incluiu diagnósticos em pessoas sem histórico de transtorno mental e que agora apresentaram sintomas pela primeira vez, bem como naquelas com episódios recorrentes. Isso representou uma taxa maior de diagnósticos em comparação a qualquer outro grupo de pacientes, variando em torno de 25% a 50% maior. Esses riscos adicionais foram maiores em pessoas hospitalizadas com covid-19, mas o padrão também pode ser observado em pessoas não hospitalizadas.

O mesmo tipo de lacuna apareceu para a insônia, com cerca de 2% dos pacientes com covid-19 sendo diagnosticados com insônia pela primeira vez, uma taxa de duas a quase quatro vezes maior do que para outros pacientes. A taxa de demência entre os pacientes com covid-19 com mais de 65 anos (1,6%) também foi mais do que o dobro em comparação com todos os outros grupos. E enquanto apenas 5,6% dos pacientes com covid-19 tiveram um diagnóstico de transtorno psiquiátrico pela primeira vez, isso ainda era cerca de duas vezes maior do que aqueles sem covid-19.

Este estudo é observacional, o que significa que não pode mostrar uma relação causal direta entre a doença viral e o agravamento da saúde cerebral. Mas está de acordo com outras pesquisas que mostram uma ligação semelhante entre o estresse da pandemia e os problemas de saúde mental. Alguns especialistas também alertaram no início deste ano que o covid-19 provavelmente afetaria o bem-estar neuropsiquiátrico das pessoas, simplesmente com base no histórico de pandemias anteriores.

As descobertas, de acordo com os autores, sugerem que o covid-19 “tem um impacto na saúde psiquiátrica acima e além do que ocorre após outros eventos agudos de saúde”.

É certamente possível que muitos sobreviventes de covid-19 diagnosticados com esses problemas de saúde mental se recuperem rapidamente. Os transtornos de ansiedade, a doença mais comum relatada no estudo, tendem a ser tratáveis ​​com as opções existentes, como terapia ou medicação. E os pesquisadores não encontraram um grande risco adicional de transtornos psicóticos resistentes ao tratamento, como esquizofrenia, entre os sobreviventes. Ao mesmo tempo, é provável que esses números estejam abaixo da escala de danos mentais causados ​​pela pandemia, já que muitas pessoas ainda lutam para procurar ajuda psicológica.

Outro aspecto preocupante do estudo é que os pesquisadores descobriram uma ligação surpreendente entre ter qualquer transtorno mental no passado recente e então contrair covid-19. Pelo menos um estudo, na Coréia, não encontrou essa conexão, mas era muito menor do que este, observaram os autores.

Os mesmos fatores sociais que predispõem as pessoas a transtornos mentais, como ter pouco dinheiro ou problemas com moradia, também podem tornar as pessoas mais vulneráveis ​​ao covid-19, que afetou desproporcionalmente as populações de baixa renda até agora. Mas esse risco adicional ainda existia mesmo depois que os pesquisadores tentaram explicar isso. Uma outra explicação possível, especulam os autores, é que as mudanças físicas observadas em pessoas com transtorno mental, seja da própria doença ou dos medicamentos usados ​​para tratá-la, podem tornar o sistema imunológico de uma pessoa mais suscetível à infecção, mas isso é uma teoria que precisará ser estudado mais a fundo.

De qualquer forma, este estudo é um lembrete sombrio de que os danos da pandemia, agora reaparecendo globalmente, não podem ser medidos apenas observando o crescente número de mortos.