André Nemec, o showrunner da adaptação de Cowboy Bebop feita pela Netflix, disse várias vezes que os fãs não deveriam esperar que seu programa fosse um remake do original. Isso ficou bastante claro no primeiro trailer que foi lançado, que demonstrava ser o Bebop raiz. Mas, agora, Nemec revelou o que talvez seja a mudança mais importante para o novo show.

Em uma entrevista para o Syfy, Nemec disse que a “sensação envelhecida” do programa foi intencional, e por um bom motivo. Ele chama os personagens do anime de “um pouco arquetípicos” — e não poderia estar mais certo.

Não faz mal ao anime e é apropriado para o meio, mas uma série live-action exigia adicionar um pouco de profundidade a Spike Spiegel (John Cho), Jet Black (Mustafa Shakir) e Faye Valentine (Daniella Pineda): “Acho que ficou claro para mim que para eu sentir por esses personagens, para realmente querer seguir e viver com eles, precisavam de uma experiência de vida profunda em sua alma.”

Por sorte, o anime forneceu um material vasto para expansão. “Spike Spiegel é um cowboy com o coração partido, que realmente é quem ele é em sua essência. Jet Black é o eterno otimista, um cara mal-humorado com um coração de manteiga. Faye Valentine, em sua essência, é uma sobrevivente. Alguém que não vai se abalar pelas adversidades do mundo ao seu redor, enquanto eles tentam colocá-la para baixo ela continua pressionando para frente. Vimos todas essas coisas, começamos a criar histórias para esses personagens”.

Assine a newsletter do Gizmodo

Afinal, como Nemec disse antes, tudo isso tem a ver com a ideia se manter fiel ao “espírito” do anime original.

A série Cowboy Bebop chega na Netflix em 19 de novembro.