A cratera de Korolev em Marte possui uma pista de gelo com mais de 82 quilômetros de diâmetro e é uma das coisas mais espectaculares da superfície do planeta vermelho, como mostram as últimas imagens enviadas pelo satélite Mars Express.

• A InSight, da NASA, começou a implementar equipamento para detectar ondas sísmicas em Marte
• Brasileiro da NASA conta os detalhes da próxima missão da agência em direção à Marte em 2020

Batizada em homenagem ao cientista russo Sergey Korolev, a cratera está localizada nas partes baixas do norte de Marte e ao sul da região de Olympia Undae – uma zona arenosa repleta de dunas, localizada próximo à região polar do planeta.

Pode parecer que a cratera da Korolev está cheia de neve, mas na verdade isso que você vê é gelo. A cratera mede 82 quilômetros de diâmetro, e no centro – o ponto mais profundo – o gelo chega a 1,8 quilômetro de profundidade.

Essa nova foto da cratera foi capturada pela Câmara Estéreo de Alta Resolução (HRSC) do satélite Mars Express da Agência Espacial Europeia, que já está em órbita ao redor de Marte há 15 anos.

A imagem foi construída a partir de cinco fotos, cada uma capturada durante uma órbita diferente, em abril passado. A imagem foi processada para mostrar como a cratera Korolev aparece quando vista de um determinado ângulo, e a cor foi corrigida para mostrar como ela seria caso a víssemos ao vivo. Uma vista aérea (disponível abaixo) e uma vista topográfica da cratera também foram liberadas pela ESA (Agência Espacial Europeia, na sigla em inglês).

Vista aérea da cratera de Korolev.

O gelo dentro da cratera é permanente, mesmo com o Verão que dura seis meses no norte de Marte. A cratera é bastante profunda e o seu ponto mais baixo está a 1,9 quilômetro em relação a borda. A ESA explica:

As partes mais profundas da cratera de Korolev, aquelas que contêm gelo, funcionam como uma armadilha fria natural: o ar que se move sobre o depósito de gelo arrefece e afunda, criando uma camada de ar frio que fica diretamente sobre o próprio gelo.

Comportando-se como um escudo, esta camada ajuda o gelo a permanecer estável e evita que ele aqueça e desapareça. O ar não conduz tanto calor, exacerbando o efeito e mantendo a cratera Korolev permanentemente fria.

Se os humanos alguma vez forem à Marte, esta região poderá ser estratégica. A água é escassa no planeta vermelho, por isso essa região polar, com suas extensas calotas de gelo, pode fornecer um amplo suprimento do líquido.

Além disso, a cratera de Korolev proporcionaria um local ideal para o jogo de hóquei mais épico da história do Sistema Solar.

[ESA]