por Bruno Izidro

Desde quando Cuphead foi anunciado, ele chamou a atenção pelo visual. Com uma arte inspirada nos desenhos animados dos anos 1930, o jogo indie logo se tornou um dos exclusivos de destaque do Xbox One. Porém, só quando o temos em mãos é que percebemos que ele também é difícil. E isso só faz querermos jogar mais ele.



Cria dos irmãos canadenses Chad and Jared Moldenhauer (que formam o Studio MDHR) Cuphead era um dos jogos disponíveis para testar durante um evento especial que a Microsoft realizou na última quarta-feira (7), em São Paulo,  pré-Brasil Game Show. Não era à toa que ele era um dos games que mais reunia pessoas em volta no local, principalmente pela possibilidade de partidas co-op, com um jogador no controle de Cuphead e outro do parceiro Mugman.

O primeiro aspecto que, literalmente, salta aos olhos é, claro, a arte, que consegue ser ainda mais bonita ao vivo. É impressionante e quase mágico vermos os personagens saltando e se movimentando e perceber que estamos controlando tudo em um desenho animado interativo. O visual consegue superar até mesmo jogos como Child of Light e Rayman Legends.

A parte boa de Cuphead é que não só os aspectos visuais impressionam e ele se mostra rapidamente ser também um bom jogo. Os controles são simples, típicos de shoot ’em ups, e rápidos de serem dominados, o que faz toda a diferença na jogabilidade. Afinal, a dificuldade que o jogo entrega acaba por se tornar mais um atrativo para ele.

Em Cuphead, é possível escolher as fases em qualquer ordem, somente explorando o grande mapa principal, em uma pegada meio Commander Keen. Já cada fase é, na verdade, uma luta de chefe. Além de serem variados, eles são fortemente inspirados nos jogos de 8 e 16-bits, com padrões de ataque e até mesmo formas finais. Um, em particular, é claramente uma homenagem ao Mecha Dragon de Mega Man 2. Já outro, com abelhas e colmeias ao fundo, parece ter sido tirado diretamente de Donkey Kong Country 2.

Cuphead_Xbox

Mesmo jogando em dupla, as lutas são bem complicadas. Dos quatro chefes que enfrentamos, fomos derrotados em todos. Ao lado, na outra estação em que Cuphead estava disponível, uma dupla conseguiu derrotar um deles, e o grito de alegria que eles soltaram ao final mostrou bem o sentimento que só jogos marcantes proporcionam. Infelizmente, a minha revanche contra os chefes de Cuphead só vão acontecer em algum momento de 2016, quando o jogo chegar ao Xbox One.