A menos que você se proteja, assim que abre um navegador de internet, você começa a deixar para trás pegadas digitais que sites podem legalmente usar para rastrear suas atividades e te reconhecer. Os dados recolhidos incluem a sua localização atual, em que links você está clicando, se você está no desktop ou celular. E isso é apenas o começo.

O que o seu navegador relata

O vazamento de informações começa com o seu navegador, que envia por padrão vários bits de dados básicos para os sites que você visita. Assim que você fica online, por exemplo, você recebe um endereço de IP, o seu ponto de entrada especial para a internet, que pode ser usado para aproximar sua localização.

Seu navegador também relata a si mesmo, de modo que sites sabem se você é um devoto do Chrome ou um usuário do Firefox, além de informações sobre o sistema operacional que é executado, seja ele um desktop ou sistema operacional móvel, os modelos de CPU e GPU da sua máquina, a resolução do monitor e até mesmo o nível atual da bateria, caso esteja usando um laptop, tablet ou smartphone.

Imagem: Captura de tela

Para ver alguns destes dados por conta própria, abra o site Webkay, e se ele conseguir determinar suas configurações, qualquer outra página na web também conseguirá.

Sites também podem optar por te monitorar ainda mais de perto. Para ver alguns destes rastreamentos em ação, vá para Click, que mostrará seus movimentos e cliques de mouse e outras interações que você faz com o navegador para você.

Estes dados são apenas a primeira camada que os sites usam para identificar quem você é. Seu navegador revelar que você está executando o Microsoft Edge de algum lugar em Nova York não diz muito sobre você, mas estas informações podem ser combinadas com outros dados para identificá-lo a partir de uma multidão.

Imagem: Captura de tela

Abra o teste Panopticlick da Electronic Frontier Foundation, para aprender mais sobre como o seu navegador pode transmitir uma impressão digital única para a internet – o seu próprio conjunto específico de software navegador, hardware, idioma padrão, até mesmo as fontes que você instalou – que podem identificá-lo, mesmo sem qualquer outra informação.

Em outras palavras, é improvável que alguém esteja usando a sua combinação específica de profundidade de cor de monitor, tamanho da tela, combinação de plugins do navegador e assim por diante. Mesmo que você não tenha digitado uma única peça de identificação pessoal, um site pode dar um bom chute se você é o mesmo cara que o visitou na terça-feira passada, te vendendo alguma publicidade relevante de acordo.

Dados transmitidos pelo navegador são apenas o começo. A próxima camada são os dados que os sites podem guardar para si.

O que sites podem coletar

A maioria dos sites está muito ansiosa em descobrir o máximo que puderem sobre você, seja para personalizar seus serviços ou para alvejá-lo com publicidade. Para ajudar a registrar estas informações, os sites colocam o que é chamado de cookie no seu sistema durante a sua primeira visita, esses cookies são pequenos arquivos que atuam como marcadores de identificação.

Como migalhas de pão em uma floresta, eles informam ao site que você já esteve lá antes. Eles também podem conter pequenos fragmentos de dados: Um cookie pode poupar-lhe o esforço de ter de escolher uma determinada cidade cada vez que você visitar um site de previsão do tempo, porque ele sabe o que você escolheu última vez; um cookie também pode armazenar itens em seu carrinho de compras que ainda estarão esperando por você quando você voltar ao site dias depois.

Imagem: Captura de tela

Isso tudo é muito útil para sites e usuários. Mas os cookies podem ir além, ajudando a adicionar mais e mais peças para esse enigmático perfil pessoal que começou a tomar forma com os dados relatados pelo seu navegador.

O protocolo de segurança do navegador determina que sites só podem acessar seus próprios cookies – uma medida de segurança bem essencial – mas também existem os chamados cookies de terceiros, que não estão associados a um determinado site, mas se injetam em várias páginas através de redes de anúncios e outras tecnologias de rastreamento.

São esses cookies que resultam em você ver anúncios de equipamento de pesca durante uma semana inteira só porque visitou um site de pesca duas vezes, são esses cookies que a Apple está lutando arduamente contra na versão mais recente de seu navegador Safari, para um grande desgosto dos anunciantes.

Fundamentalmente, isso é tudo o que está sendo usado para reconhecer quem você é e melhor bombardeá-lo com publicidade. Os dados de visitas ao site, buscas, cookies e seu navegador são colocado juntos com algumas suposições que tentam descobrir os anúncios que você estará mais interessado em ver.

Imagem: Universidade de Princeton

Além disso, um estudo recente da Universidade de Princeton descobriu que rastreadores trans-sites embutidos em 482 dos principais 50.000 sites da internet estavam gravando praticamente toda a atividade de navegação de seus usuários para análise. Essas gravações são ostensivamente para fins de gerenciamento de site e otimização; mas enquanto a informação sensível é apenas supostamente segura, este acaba sendo mais um caso de usuários tendo de colocar a própria confiança, e seus dados, nas mãos de terceiros.

E um outro grupo de empresas está adicionando mais dados a tudo isso: : Nossos provedores de serviços internet, que agora podem ganhar dinheiro com a venda de seu histórico de dados de navegação, permitem que os anunciantes saibam onde você está e no que você está interessado. Nada disso funciona com dados isoladamente, com empresas de marketing negociando e combinando detalhes para montar um perfil muito detalhado. E ele acaba ficando muito detalhado mesmo…

Outras informações que você está fornecendo

Nós ainda não falamos sobre os dados que você está fornecendo voluntariamente: As pesquisas que você faz enquanto está conectado ao Google, os lugares que você visita enquanto está usando o Facebook, a data de aniversário que você preenche no Twitter e assim por diante.

Os sites tem suas próprias políticas de privacidade sobre como esses dados podem ser usados, geralmente para bombardeá-lo com publicidade, e talvez para melhorar os produtos e serviços reais ao mesmo tempo, e o acordo que você faz para usar estes serviços é encarar essa coleta de dados.

Image: Captura de tela

Então, se você cadastrar uma conta no Tumblr, por exemplo, você estará essencialmente permitindo ao Tumblr monitorar tudo que você faz na rede. Isso é, até certo ponto, algo comum para que os sites possam policiar o comportamento de usuários e corrigir erros, mas também é mais outra pilha de dados para adicionar ao topo de todo o resto que já falamos.

Adicione todas essas informações pessoais juntamente com os dados que já foram recolhidos a partir de sua sessões online, e os maiores operadores como Google e Facebook podem facilmente conhecer você melhor do que você conhece a si mesmo.

No ano passado, o Google alterou a sua política de privacidade para que os dados de sua rede de publicidade DoubleClick pudessem ser mesclados com outros dados que ele sabe sobre você – como o seu nome e os seus canais favoritos do YouTube, para construir uma imagem muito abrangente de você e seus gostos. Nem toda empresa tem o alcance do Google ou Facebook, mas os dados podem ser facilmente comprados e vendidos entre empresas especializadas neste tipo de perfil.

Apenas no Facebook, você pode muito bem revelar quem são seus amigos mais próximos, os lugares que você mais gosta de visitar, quantas vezes você pede pizza, e as principais bandas vivas ou mortas que você deseja colocar em seu show dos sonhos.

Imagem: Captura de tela

Graças à informação que você oferece para o Facebook, e os dados recolhidos enquanto você navega, ele sabe quando você está esperando um bebê, para quem você trabalhou no passado, o caminho que você provavelmente segue politicamente, o momentos do dia você gosta de navegar na internet, e muito mais, você pode ver algumas das informações que eles pensam que sabem sobre você visitando esta página.

A maior rede social do mundo pode ser única em termos de quantidade de dados pessoais que pode descobrir, mas os princípios são os mesmos em outros sites, seja o que você usa para fazer compras, ou viagem, ou ler notícias.

Depende realmente das políticas de privacidade de cada site individual a forma como todos esses dados são coletados, registrados e usados, se é que fazem isso. E enquanto essas políticas são geralmente de fácil acesso, elas são redigidas em termos muito gerais que dão aos sites muita margem de manobra quando se trata de lidar com os perfis que construíram em cima de você.

O que pode fazer

A coleta de dados em sua essência não é maliciosa. Sites precisam de dados para tornar seus produtos melhores e vender anúncios para se manterem vivos. Dito isto, você deve estar consciente sobre o que você fornece e para quem. Para saber mais sobre isso, veja o nosso guia sobre como evitar ser rastreado enquanto você navega na internet.

Esta história foi produzida com apoio da Fundação Mozilla.