A linha Dell XPS tende a chamar bastante a atenção, mas os laptops populares são da linha Inspiron. O motivo é simples: nem todo mundo está disposto a gastar muitos milhares de reais em um computador, especialmente em máquinas que possuem telas menores do que 15 polegadas. Em um esforço para dar mais destaque à linha intermediária de laptops, a Dell reformulou seus computadores Inspiron.

• Primeira TV 8K da Samsung chega em setembro e aposta em melhoria do 4K por falta de conteúdo nativo
• Aquele fone de ouvido maneiro da Sony que cancela ruído agora cancela ainda mais ruído

De cima para baixo, os novos conversíveis Inspiron 5000 e 7000 (disponíveis com telas de 13, 14, 15 e 17 polegadas, dependendo do modelo) possuem um visual totalmente diferente graças aos corpos de alumínio (em vez de plástico) com bordas chanfradas e molduras menores na parte superior e nas laterais de suas telas.

Isso deve ajudar a linha Inspiron a imitar melhor o acabamento que há nos XPS, enquanto melhora a durabilidade, sem aumentar demais os preços. Na parte de dentro, haverá novas CPUs Intel Core i5 e i7 de 8ª geração e, dependendo do modelo específico, tela opcional em 4K e GPUs Nvidia MX 130 ou MX 150.

Além disso, a Dell também deixou de lado os SSDs e incluiu drivers NVMe, que permitem que a companhia ganhe espaço interno e ofereça configurações com opções de armazenamento híbrido. Suporte à caneta stylus Active, integração com a Amazon Alexa e leitor embutido de digitais agora são funcionalidades padrão, o que é um bom bônus para a versatilidade dos produtos.

Todos os Inspiron, com exceção do mais barato (Inspiron 14 5000) ganharão novas portas USB-C 3.0 com suporte para entrega de energia e DisplayPort.

Ok, eu sei que isso não é muito animador, mas todas essas adições são bem sólidas e devem tornar os Inspirons dispositivos mais completos. Fora isso, ainda há uma inovação importante da Dell que não trará impacto somente nesses novos Inspirons, mas potencialmente para todos os outros notebooks fabricados pela companhia, incluindo os XPS: os novos Inspirons serão os primeiros a contemplar webcams pequenininhas que possuem 2,7mm de circunferência. Isso permite que elas fiquem onde deveriam estar: no topo. Ao mesmo tempo, não ocupa muito espaço das bordas.

É uma webcam bem pequenininha. Foto: Dell

Essa novidade é bem importante. Durante anos, uma das maiores reclamações sobre os notebooks Dell XPS era sobre as webcams instaladas abaixo da tela. Isso significava que, enquanto você estivesse numa chamada de vídeo, as pessoas do outro lado teriam o desprazer de ficar olhando para a sua papada, ou pior ainda, direto para a sua narina. Mas, em pouco tempo, as webcams superfinas da Dell devem passar do Inspiron para o XPS e tornar esse problema uma coisa do passado.

E, para completar o portfólio da Dell, a companhia também pegou o chassi de seu Inspiron 14 5000 2-em-1 para criar o novo Inspiron Chromebook 14 2-em-1. A Dell diz ser o seu primeiro Chromebook premium. Dito isso, eu não estou muito convencido sobre essa história de premium, porque a Dell removeu o leitor de impressões digitais, diminuiu o processador para um Core i4 e reduziu o armazenamento para 128GB em 128GB, o que é longe do ideal mesmo para o sistema que se vale de muitos dados na nuvem. Em troca, há uma stylus EMR que não precisa ser carregada e que tem o seu próprio buraquinho na carcaça do laptop. O Inspiron Chromebook 14, tem um preço mais acessível: US$ 600.

Os novos Inspiron devem estar disponíveis nos EUA a partir do dia 2 de outubro, a partir de US$ 450 no Inspiron 14 5481 (aquele sem USB-C), ou US$ 600 para o modelo mais poderoso, enquanto o Inspiron 7000 será vendido a partir de US$ 880, US$ 850, and US$ 1.100 para os modelos de 13, 15 e 17 polegadas.

O Inspiron 14 Chromebook começará a ser vendido no dia 23 de outubro, com preços a partir de US$ 600.

O Gizmodo Brasil entrou em contato com a assessoria da Dell no Brasil para saber se os produtos chegarão por aqui. A companhia disse que ainda “não está compartilhando informações sobre a disponibilidade desses produtos no Brasil”.

Imagem do topo: Sam Rutherford (Gizmodo)