Paleontólogos na Argentina descobriram os restos de um dinossauro do período Cretácico que contava com os mesmos braços em miniatura encontrados no tiranossauro (T. rex). Essas criaturas antigas não eram próximas, então os cientistas desconfiam que os pequenos braços evoluíram independentemente.

Este é o Gualicho shinyae, um terópode bípede que tinha um par de braços curtos com duas garras em cada. A criatura aterrorizante tinha o tamanho de um urso polar e é parecida com o tiranoussauro nesse sentido, mas é de um ramo separado da árvore genealógica, o que significa que os membros incomuns evoluíram de forma independente (evolução paralela), e não uma característica herdada de um ancestral em comum. Braços pequenos, pelo jeito, eram comuns em certos bípedes carnívoros durante o Cretácico, e por motivos que ainda não estão totalmente claros.

dinossauro-2

Imagem: Sebastián Apesteguía et al., 2016/PLOS ONE

O Gualicho é classificado como um allosauridae, que descreve terópodes carnívoros de médio a grande porte, e era diferente de outros dinossauros que vivam próximo a ele.

“O Gualichi é um tipo de dinossauro mosaico, ele conta com características que normalmente são encontradas em diferentes tipos de terópodes,” disse o coautor do estudo Peter Makovicky, que trabalha no Field Museum em Chicago. “Ele é bem incomum – é diferente de outros dinossauros carnívoros encontrados na mesma formação rochosa, e não se encaixa perfeitamente em nenhuma categoria.”

Assim como o tiranossauro, esse dinossauro tem seus membros anteriores do tamanho dos braços de uma criança. A descoberta do Gualicho não explica porque certos carnívoros possuem braços tão pequenos, mas fortalece a hipótese de que essa característica evoluiu independentemente.

Em relação ao nome desse dinossauro recém-descoberto, shinyae vem do seu descobridor, Akiko Shinya, enquanto Gualicho é derivado de “Gualichu”, um espírito reverenciado pelo povo Tehuelche da Patagônia.

[PLOS ONE]

Foto de topo: Impressão artística de dois Gualicho shinyae. Crédito: Jorge González e Pablo Lara.