O fundador do Facebook e entusiasta de viagens domésticas Mark Zuckerberg fingiu ser um político em seu discurso de formatura em Harvard na tarde desta quinta-feira (25). Não apareceu muita gente, provavelmente porque estava frio, chovendo e, em geral, triste. Nem mesmo o Facebook consegue controlar o clima.

• Revelados os polêmicos critérios que o Facebook usa para conteúdo sensível
• Tudo indica que o Facebook produzirá suas próprias séries de TV ainda neste ano

O discurso pareceu político porque foi. O princípio básico que Zuckerberg compartilhou com a turma de 2017: todo mundo no planeta deveria ter um “propósito” (claro). E Zuck tem tentado descobrir o que isso significa ele próprio. Nas últimas semanas, Zuckerberg tem viajado por cidades norte-americanas em uma pseudocampanha que ele diz ter sido organizada exclusivamente para “ter uma perspectiva mais ampla” sobre as pessoas que usam o seu site.

Zuckerberg, que completou 33 anos de idade há menos de duas semanas, entende como conectar pessoas. Ele disse isso cerca de nove vezes e também lembrou todos de como ele está se encontrando com todos os tipos de pessoas em sua grande peregrinação americana, de “operários de fábrica” a “viciados em opioides”. O CEO bilionário explicou como a experimentação com renda básica universal e a garantia de planos de saúde para todos eram ideias simples, ideias que ele gostaria de ver transformadas em realidade.

• Fundador do eBay doa meio milhão de dólares para teste de renda básica universal
• Elon Musk acha que precisaremos de renda básica universal num futuro sem trabalho

Citando a Chan-Zuckerberg Initiative, instituição de caridade que ele e sua esposa Priscilla Chan criaram em 2015, Mark lembrou todo mundo que ele deseja curar todas as doenças. Esses são planos ambiciosos para uma rica e jovem pessoa que largou a faculdade (Zuckerberg também recebeu um doutorado honorário na cerimônia, então agora ele é o Dr. Mark Zuckerberg).

Mas Zuckerberg pareceu sincero. Seu discurso foi treinado, e ele fez um grande trabalho, apesar do fato de que uma plateia de apenas algumas centenas de pessoas estava de joelhos fundos na lama, fazendo seu melhor para não pegar hipotermia. Perto do fim de seu discurso, Zuckerberg chorou um pouco, enquanto falava sobre um estudante que ele orientou no Boys and Girls Club. O público ficou em silêncio, enquanto ele se recompunha. Mas quando o CEO do Facebook deu seus parabéns finais e uma última menção à turma de Harvard de 2017, as pessoas celebraram. Mark sorriu, com o queixo levantado, e a chuva continuou caindo.

Imagem do topo: Adam Clark Estes