A Disney anunciou nesta terça-feira (13) que está reestruturando seus negócios de mídia e entretenimento para concentrar investimentos no mercado de streaming – uma área que está prosperando na companhia, enquanto outras partes da Walt Disney Company lutam com os efeitos da pandemia do coronavírus.

Na verdade, o Disney+ tem sido um sucesso monumental desde que foi lançado no ano passado, com o CEO Bob Chapek revelando durante o relatório de lucros do terceiro trimestre que a plataforma alcançou 100 milhões de assinantes em agosto.

Agora, os três principais grupos de criação de conteúdo da empresa, que cobrem as áreas de estúdios, entretenimento geral e esportes, “serão responsáveis ​​pela produção e entrega de conteúdo para cinema e streaming, com o foco principal sendo os serviços de streaming da companhia”. Em outras palavras, parece que o grande passo da Disney é se transformar na próxima Netflix.

“Estamos colocando o consumidor em primeiro lugar. Na verdade, é o consumidor quem vai tomar essa decisão. Eles vão nos liderar com a forma como tomam suas decisões transacionais. Agora mesmo, estão investindo fortemente seu dinheiro no Disney+”, disse Chapek durante uma entrevista ao Closing Bell.

As empresas do grupo Walt Disney estão definitivamente sentindo os efeitos da crise global de saúde, à medida que devem se ajustar às novas exigências de distanciamento social e precauções para evitar o contágio de COVID-19. Muitos de seus filmes, como os de outros grandes estúdios, estão presos em uma espécie de limbo incerto em meio a fechamentos de cinemas. Olhe como exemplo o live-action de Mulan, que foi lançado diretamente no Disney+.

A rede de parques está uma verdadeira bagunça, e a Disney recentemente demitiu 28.000 funcionários como resultado de “capacidade limitada devido aos requisitos de distanciamento físico e a incerteza contínua em relação à duração da pandemia”.

Sem o fim imediato da pandemia de coronavírus à vista, os estúdios foram forçados a lançar seus filmes para multidões menores nos cinemas que estão abertos, mudar suas datas de lançamento de grande orçamento ou lançar filmes como itens premium de seus respectivos serviços de streaming. Para uma empresa verticalmente integrada como a Disney, e com uma plataforma que tem sido um tremendo sucesso, os lançamentos em streaming oferecem uma oportunidade de recuperar parte do que a empresa investiu, cobrando US$ 30 para transmitir filmes de grande sucesso antes de serem lançados meses depois oficialmente no Disney+.

No momento, a Disney parece estar fazendo o que praticamente todos os outros serviços de streaming estão fazendo agora: produzir conteúdo em um ritmo mais acelerado que o normal.