A notícia vai fazer sentido: o Wikileaks diz ter 250 mil telegramas entre diplomatas e tem os soltado aos poucos em coordenação com alguns grandes veículos europeus (o inglês Guardian, a alemã Der Spiegel e o espanhol El País). Ontem, um jornal norueguês disse ter conseguido acessar tudo. E irá vazar os documentos vazados.

O editor do Aftenposten, o jornal que conseguiu as informações sem revelar como diz que “tem liberdade para fazer o que quiser com o que achar nos documentos“. Há gente que desconfia até que o próprio Julian Assange facilitou o vazamento, descontente com a maneira com que o “parceiro” The Guardian cobriu a sua prisão por crimes sexuais na Suécia.

Outros analistas consideram a hipótese absurda, já que a confidencialidade de alguns telegramas poderia servir como peça de barganha no caso de algum governo pedir a sua extradição – os EUA já estudam essa possibilidade.

De todo modo, não deixa de ser estranho a organização que prega transparência absoluta soltar a conta-gotas as informações que tinha (apenas 2 mil dos 250 mil “cabos” disponíveis apareceram na imprensa), ainda mais para a chamada “velha mídia”. O vazamento de hoje deixa tudo mais irônico na conturbada vida da organização de Assange. Enquanto isso, o jornal norueguês destacou uma dezenas de repórteres para escarafunchar os documentos. As bombas verbais devem aparecer mais rapidamente agora. [Com informações de ABCNews e Gawker]