Designers de produto tentam, há algum tempo, combinar o poder do seu smartphone com uma câmera parruda e removível. Até agora, esses produtos foram estranhos e não muito amigáveis – mas a DxO pode ter encontrado a solução com a nova câmera One.

A One parece uma câmera de ação em tamanho e formato. Dentro dela, há um sensor de uma polegada e 20 megapixels, o mesmo encontrado na Sony RX100. E essa coisinha pode produzir imagens em qualidades altíssimas. É só ligar a One à entrada Lightning com o conector dobrável e pronto — você tem uma câmera de 20MP que transfere as imagens para o seu celular instantaneamente.

Você deve se lembrar que a Sony tentou algo parecido com a linha QX. Mas essas câmeras eram volumosas demais e dependiam de conexões Wi-Fi ou NFC. A One é significantemente menor que as QX graças às lentes de 32mm com abertura equivalente a f/1.8. E ela cabe no bolso, algo que, honestamente, é uma necessidade para que um conceito como este seja utilizável.

A One registra imagens JPGs que são instantaneamente transferidas para o seu celular, e arquivos RAW são armazenados em um cartão microSD removível. Ela tem um botão físico para registrar as imagens, mas também permite que elas sejam registradas diretamente da interface do app, que nos pareceu bem razoável.

A One também oferece controle manual completo da imagem e modos que serão bem familiares a qualquer fotógrafo. A abertura f/1.8 e a velocidade máxima do obturador de 1/8000 tornam possível registrar imagens ótimas em uma grande variedade de condições. Quando acoplada ao celular, a One gira em 60˚ para qualquer direção angular, ou vira para o modo selfie. Você também pode usá-la sozinha, sem o celular, mas apenas em modo automático.

Dois problemas presentes na One: primeiro, é chato ter que acoplar algo ao seu celular para registrar uma foto. Afinal, você já tem uma câmera no seu celular, e ela produz imagens ótimas. Mas a qualidade dessas imagens não se compara ao que o sensor e as lentes da One proporcionam. Segundo, ela é cara — a One custa US$ 600.

Ignorando estes problemas, a One é incrível por ser uma abordagem nova a este conceito, e parece genuinamente ser mais interessante do que a Sony e a Olympus têm a oferecem. A DxO tem um histórico de vasto conhecimento em ciências da imagem e ópticas, então ela deve (em teoria) entregar uma performance equivalente com a One.

Inclusive, a câmera tem uma função bem legal graças a este conhecimento da empresa: chamado de Super RAW, este modo é recomendado para ambientes de luminosidade extremamente baixa. Ele combina quatro exposições ISO diferentes e interpola os pixels para reduzir ruídos na imagem. Não pudemos testar essa função, mas ela soa interessante. Faremos um teste completo assim que a One estiver disponível.

Por enquanto, ela é apenas compatível com dispositivos Apple com entradas Lightning, mas versões futuras irão oferecer outras formas de compatibilidade. A One chega ao mercado em setembro.

Atualizado às 16h19