Mark Zuckerberg precisa entregar as chaves, argumenta uma equipe de pesquisadores. Em um novo artigo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences dos Estados Unidos da América, o grupo defende que o problema da mídia social atinge o mesmo nível de urgência das mudanças climáticas. Neste ponto, parece ruim não reunir todos os recursos disponíveis para controlar um sistema que fomentou a violência genocida, criou uma plataforma de insurreição e aumentou a resistência à vacina durante uma pandemia.

Ao todo, 17 acadêmicos, incluindo pesquisadores de desinformação, especialistas em ética em tecnologia, cientistas do clima, biólogos, teóricos psicológicos e antropólogos, escrevem que devemos considerar o desastre da rede social uma “disciplina de crise”. Isso quer dizer que o tema requer colaboração interdisciplinar urgente para compreender e resolver o problema, como previsões matemáticas e modelos ecológicos.  Eles dizem, também, que a desinformação apresenta uma séria ameaça em um mundo que já enfrenta uma crise climática, a ameaça de uma guerra nuclear, uma pandemia, racismo, ódio, fome, desigualdade, etc.

A equipe considerou as mídias sociais a partir de um ponto de vista evolutivo. Eles comparam a rede a um “comportamento coletivo”, semelhante a gafanhotos. A estrutura sem líder que torna possível esse comportamento são os “sistemas complexos”, como a economia global. O potencial para desastres cresce exponencialmente junto com o sistema: “Quando perturbados, sistemas complexos tendem a exibir resiliência finita seguida por mudanças catastróficas, repentinas e muitas vezes irreversíveis na funcionalidade”, eles escrevem.

Como há pouco incentivo para que as empresas compartilhem exatamente o que estão fazendo, eles disseram: “Isso levanta a possibilidade de que alguns modelos de negócios possam ser fundamentalmente incompatíveis com uma sociedade saudável”. Em outras palavras, desconecte o Facebook. “As decisões que impactam a estrutura da sociedade não devem ser guiadas pelas vozes das partes interessadas individuais, mas sim por valores como a não maleficência, benevolência, autonomia e justiça.”

Levando isso para o próximo passo lógico, eles sugerem elevar o arquiteto de mídia social a um cargo solene e respeitável, exigindo algo como um juramento hipocrático.

Assine a newsletter do Gizmodo

Zuckerberg não está se comprometendo a fazer nada em breve. Sua proposta mais imediata combinaria ciência comportamental e uma compreensão macro da manipulação algorítmica, raciocinando que “não temos a estrutura científica necessária para responder até mesmo às questões mais básicas que as empresas de tecnologia e seus reguladores enfrentam”. Não é que faltem estudos de caso; o grupo internacional de direitos humanos Avaaz desenvolveu suas próprias ferramentas para estudar bilhões de casos de desinformação impulsionadas algoritmicamente no Facebook. Um corpo da literatura, pelo menos, deixaria menos facilidade para CEOs de tecnologia, que fugiram das audiências com desculpas fracas, algumas promessas e absurdos inexplicáveis.