Por Sean Hollister

Eu não joguei Halo 5 em realidade virtual. Gostaria de ter jogado. Mas eu pisei na terra dos sonhos dos jogos de ficção científica durante a E3 2015, graças à Microsoft e seu HoloLens. Receber informações de uma missão de um soldado holográfico? Quero.

>>> Projeto HoloLens: Microsoft quer transformar o mundo em holodeck
>>> Hands-on: como é usar o Microsoft HoloLens

Minha primeira parada na Electronic Entertainment Expo deste ano foi na parte da Microsoft. E eu sabia que as coisas seriam bastante interessantes quando encontrei uma certa frase no meu crachá – ele falava em uma “calibração óptica”, e a última vez que a Microsoft ofereceu isso para mim ela acabou medindo a distância dos meus olhos para ajustar o headset do Hololens. Mas, como aconteceu das outras vezes, eu não pude levar minha câmera para fotografar o que aconteceria naquela sala.

Assim que entrei na sala protegida por uma porta blindada, logo encontrei o que queria: um rack com vários headsets HoloLens esperava por mim e por outros colegas jornalistas. A sala estava decorada como se fosse um quartel da marinha em um mundo de ficção científica, com direito a bancos e armários brilhantes e tudo mais – era como se eu estivesse dentro de alguma nave em meio a uma guerra espacial. Chamados um a um, nos sentamos no banco enquanto pessoas vestidas como cientistas de Halo nos ajudavam a misturar o dispositivo de realidade virtual com o nosso crânio.

A partir daí, o headset cuidou de tudo. Ele nos guiou através de pontos luminosos que deviam ser seguidos através de um corredor. Como em um videogame! Emergimos em uma central de comando, onde uma mesa gigante translúcida com grades de metal enormes dava a cada um dos participantes uma estação para ficar – e, no centro de tudo, uma nave estelar flutuava. Era a UNSC Infinity.

Microsoft HoloLens na E3 2015

Clique aqui para ver o holograma em tamanho completo. Mas algumas coisas não podem ser vistas nesta imagem: enquanto eu olhava para a UNSC Infinity, pequenas partes da nave se iluminavam quando eu me aproximada delas, me dando detalhes sobre seu armamento.

Microsoft HoloLens na E3 2015

Microsoft HoloLens na E3 2015

Infelizmente, a garota holográfica preferida dos fãs de Halo, Cortana, não apareceu na demonstração. No lugar dela, fui recebido por uma Comandante Palmer que se mostrou uma excelente substituta, com sua armadura imponente. Ela nos informou dos perigos que enfrentaríamos no novo modo multiplayer 12 vs 12 de Halo 5: quais eram nossos objetivos, os inimigos que enfrentaríamos, coisas assim – exceto que todas as construções e inimigos que ela nos falou apareceram no meio da tela em forma holográfica. Foi demais.

Quando o discurso dela acabou, o pessoal da Microsoft pediu para retirarmos os dispositivos HoloLens. Foi isso? Bem, não exatamente. Também pudemos jogar Halo 5 por alguns minutos. Foi bem divertido! Mas nada de Halo em realidade virtual, aumentada, misturada, nem nada. Não por enquanto.

Foi aquela experiência que você consegue nos melhores parques de diversões do mundo.

Minecraft ficou excelente no HoloLens

Microsoft HoloLens na E3 2015

Quando a Microsoft nos disse que seríamos capazes de fazer mundos de Minecraft surgirem na nossa sala de estar com o HoloLens, talvez você tenha achado fantástico. Ou talvez você não tenha acreditado que a experiência final seria próxima à apresentada no palco. Mas quer saber? Eu joguei Minecraft no HoloLens e digo que tudo o que foi mostrado pela Microsoft é real.

Sabe isso?

Isso existe. Eu joguei uma versão de Minecraft no HoloLens e era exatamente assim. Era até o mesmo mundo de Minecraft.

Ok, agora vamos para os poréns: real não significa “perfeito” nem “confortável”. O protótipo do HoloLens é o mesmo que usei há cerca de um mês. É elegante, futurista. É um pouco pesado na parte frontal, e você vê alguns efeitos fantasmagóricos coloridos nos cantos da sua visão.

A parte mágica é que, diferentemente do Oculus Rift e de outros headsets de realidade virtual, o display é transparente, e você consegue ver o mundo real ao seu redor. Objetos gerados em computador (no caso, blocos de Minecraft) aparecem no centro da sua visão. Eles aparecem e ocupam espaço no mundo real. A parte não tão mágica é que você só consegue vê-los no centro da sua visão. Mexa a sua cabeça um pouco, e eles desaparecem da sua visão.

Mas vamos falar do jogo. Minecraft! Na sua sala de estar! Construa mundos na sua mesa de centro! Como é jogar isso?

É exatamente igual à versão do Xbox – se você quiser que seja. Os representantes da Microsoft me deram um gamepad do Xbox 360 e me fizeram correr por aí em duas dimensões destruindo blocos que apareciam em frente aos meus olhos, sem absolutamente nenhum respeito pela criação deles. Me senti feliz, mas também um pouco entediado (a tela em 2D que eu estava usando para jogar não era uma TV de verdade, e sim uma TV virtual pendurada em uma parede).

Na sequência, fui para o 3D. Falei a palavra “3D” e um segundo depois o processador de reconhecimento de voz do HoloLens ligou a tela estereoscópica. Do nada, meu mundo de Minecraft tinha profundidade. Ele se estendeu alguns metros a partir da parede, como em um efeito 3D de cenas de filmes. Legal. Mas as palavras “modo realidade” fizeram ele fica muito melhor. Do nada, a parede da minha demonstração se tornou uma janela para o mundo de Minecraft. Eu podia andar até ele, dar uma rápida olhada no mundo que me esperava no outro lado.

Microsoft HoloLens na E3 2015

Mas é claro, a melhor parte seria a de colocar aquele mundo na minha sala de estar. Foi só falar “Colocar mundo” e olhar para uma superfície plana para isso. Não precisa ser uma mesa: eu mesmo fugi bastante do roteiro e coloquei ela no chão por um tempo.

No momento, você não consegue ver todo o seu mundo de Minecraft de uma vez, apenas uma parte grande dele. Olhe para a imagem acima: é mais ou menos isso o que você consegue ver em um determinado momento. Mas você pode se mover para ver outras partes do seu mundo. Coloquei minha mão em frente ao meu rosto, estalei o polegar e o indicador, e levantei um grande pedaço da superfície desse mundo até o céu para ver as cavernas profundas abaixo dele.

Encontrei um jogador vagando pelo mundo, me inclinei e olhei para o mundo embaixo de mim como se fosse um deus. Eu criei um incêndio na casa dele com um raio – só precisei dizer “raio” – mas deixei ele ileso. Sou um deus meio benevolente.

Eu me teletransportei para o topo de uma torre apenas ao olhar para ela – que estava em uma grande pilha de blocos de Minecraft no meio da sala de estar. Eu queria me teletransportar, e depois voltei à visualização tradicional em 2D ou 3D para construir algumas coisas.

Não vou mentir: foi cansativo manter o protótipo do HoloLens na minha cabeça por tanto tempo, lidando com seu campo de visão estreito. Eu tinha que lembrar onde deixei minhas coisas virtuais em vez de simplesmente virar minha cabeça em direção às outras coisas que posso ver nos cantos da minha visão no mundo real. Do jeito que está hoje, não sei se jogaria Minecraft no HoloLens por muito tempo – eu posso passar horas e horas construindo mundos em 2D.

Mas eu certamente ficaria contemplando todas essas criações maravilhosas da perspectiva de um deus.