Um funcionário da NSA (Agência de Segurança Nacional) que trabalha através de parceiros externos é o homem por trás dos recentes vazamentos sobre a espionagem dos EUA.

Edward Snowden, de 29 anos de idade, é ex-assistente técnico da CIA e atual funcionário da Booz Allen Hamilton, uma empresa americana de consultoria. Ele revelou sua identidade ao jornal britânico The Guardian.

Snowden vazou documentos que revelam o programa PRISM, que coletaria informações privadas dos usuários nos servidores do Google, Microsoft, Apple e outras grandes empresas de tecnologia. Apesar de ter divulgado publicamente inúmeros documentos confidenciais, Snowden diz ao Guardian:

Eu não tenho nenhuma intenção de esconder quem eu sou, porque sei que eu não fiz nada errado… [Mas] eu não quero a atenção do público, porque eu não quero que a história seja sobre mim. Eu quero que seja sobre o que o governo dos EUA está fazendo.

Snowden fez uma empreitada para a NSA no Havaí, onde ele viveu “confortavelmente” com sua namorada com um salário anual por volta de US$ 200.000. Há três semanas, ele reuniu os documentos para vazá-los e, em seguida, tirou duas semanas de folga da NSA, supostamente para tratar sua epilepsia. Em seguida, ele se preparava para fugir para Hong Kong. Snowden disse ao Guardian que ele mal teve que explicar a viagem ou os seus motivos para a namorada, porque o seu trabalho muitas vezes exigia sigilo.

Snowden está em Hong Kong desde então, um local que ele escolheu pelo seu clima de defesa da liberdade de expressão, e por sua potencial capacidade de resistir a ordens dos EUA.

Para Snowden, não foi um caminho necessariamente óbvio trabalhar para a consultoria Booz Allen Hamilton – e, por extensão, a NSA. Ele admite que era um aluno ruim, e largou a escola para ingressar no exército. Depois de uma infância tranquila em uma pequena cidade nos EUA e em Fort Meade (perto da sede da NSA), Snowden queria participar da guerra do Iraque para ajudar a livrar os outros da opressão. Mas ele ficou surpreso com as atitudes que ele encontrou no exército, que ele diz refletir um desejo maior de matar – em vez de um interesse ideológico em libertar. Snowden quebrou as duas pernas em um acidente de treinamento e foi dispensado. Ele se tornou um guarda de segurança na NSA e, em seguida, juntou-se à CIA na área de segurança em TI.

Snowden está convencido de que o vazamento – e suas consequências para ele – não lançam sombra sobre o teor dos documentos que ele revelou. Junto ao primeiro conjunto de documentos que ele vazou, Snowden escreveu:

Eu entendo que me farão sofrer por meus atos… [mas] eu estarei satisfeito se a federação da lei secreta, perdão desigual e poderes executivos opressores que governam o mundo que eu amo forem revelados, nem que por um instante.

Ainda assim, ele parece conformado com o fato de que haverá consequências, e de que suas ações alteraram totalmente o rumo de sua vida:

Eu acho que é justificado o sentimento de indignação que manifestaram. Ele me deu a esperança de que, não importa o que aconteça comigo, o resultado será positivo para a América. Eu não espero voltar novamente para casa, apesar de querer isso… A única coisa que eu temo são os efeitos nocivos para minha família, que eu não poderei mais ajudar. Isso é o que me mantém acordado à noite…

É uma revelação corajosa, e uma história fascinante. Leia-a na íntegra aqui: [The Guardian]