Na visão da Asus, há uma forma clara de se diferenciar dos vários tablets com Android e formato semelhante: coloque um bom teclado sempre que você puder. Foi assim como Transformer, é assim com o Slider, o novo tablet do mercado brasileiro, que chega por R$1.799. A diferença é que o teclado do Slider não é destacável e sim, como diz o nome, deslizante.

O preço é mais alto do que seu irmão destacável que chegou ao Brasil por R$1.499. O Slider, assim como o Transformer (e vários outros tablets com Android) tem Honeycomb em sua versão 3.1, Tegra 2 e 1GB de RAM como motor e tela de 10,1 polegadas e resolução de 1280 por 800 pixels, além de IPS. Ele pode ter 16GB ou 32GB e aparentemente será voltado apenas para varejo — nada de operadoras.

Nós já brincamos um bocado com o Transformer e podemos dizer que se o teclado seguir o mesmo formato, ele é bem digno, com teclas firmes e resistentes e boa sensibilidade. O fator que nos incomoda no Slider talvez seja mais filosófico: para se destacar da concorrência, a Asus transformou tablets em netbooks. O Slider, por exemplo, pesa 960 gramas, ou pouco menos do que o MacBook Air de 11 polegadas. Ao mimetizar netbooks em um tablet, a Asus não estaria distorcendo a proposta que os tablets mais recentes (desde o lançamento do iPad) buscam — consumo de conteúdo, aplicativos interativos e distância do formato de computação “completa”? Talvez exista público para os dois, mas essa discussão, meus amigos, é longa, bem longa. E pretendemos tê-la em breve com vocês. [Foto via Android Authority]