Bitcoin é “o futuro” de novo. Na manhã desta terça-feira (16), a criptomoeda atingiu mais um recorde ao alcançar o valor de US$ 50 mil (ou R$ 268 mil na cotação atual). O que isso significa? Os tuítes de Elon Musk são uma boa estratégia de investimento? Nós deveríamos entrar nessa?

Elon Musk divulgou a bitcoin e a dogecoin há algumas semanas — meio como se fosse uma sequência à loucura da GameStop. Ele mudou sua bio para “Bitcoin” e tuitou “Doge” para a alegria dos seus fãs, que fizeram as moedas ganharem ainda mais valor. É claro que ele fez isso um pouquinho antes de a Tesla anunciar que comprou US$ 1,5 bilhão em bitcoin no seu relatório anual a investidores. Naturalmente, isso fez com que alguns analistas chamassem o investimento na criptomoeda de “arriscado” e “loucura”, sugerindo que a Tesla poderia perder todo o lucro de 2020 se a bitcoin caísse 50%.

De forma mais discreta, uma série de bancos e fintechs, incluindo a Mastercard, Visa, PayPal e Square reconheceram a demanda e passaram a aceitar a bitcoin e outras criptomoedas. Inclusive, sem querer, grandes empresas de cartão de crédito podem ter impulsionado ainda mais as criptomoedas depois que decidiram cortar os laços com o Pornhub, um dos maiores sites do mundo — e que agora recebe mais pagamentos em bitcoin do que nunca.

“A Mastercard não está aqui para recomendar que você use criptomoedas”, disse a empresa em um comunicado à imprensa na última semana. “Mas estamos aqui para permitir que clientes, comerciantes e negócios movimentem dinheiro — seja ele tradicional ou cripto — da forma que quiserem. Isso deve ser sua escolha, é o seu dinheiro”.

Ethan Lou, jornalista e autor de “Once a Bitcoin Miner” — um livro não traduzido para o português e que traz o relato autobiográfico sobre a gestão de uma startup de blockchain durante o primeiro boom das criptomoedas — não vê o movimento de preços como algo extraordinário.

“Acho que uma mudança de 5% a 10% em um dia é algo perfeitamente normal para a bitcoin”, escreveu por e-mail. A ascensão não é algo tão surpreendente uma vez que a bitcoin se tornou “cada vez mais próxima de mercados financeiros mais amplos”.

O mercado tem sido extremamente volátil desde o último ano quando, após sofrer um crash, a bitcoin valia pouco mais de US$ 5 mil. Uma variação de 10% ao dia seria algo absurdo para o mercado de ações tradicionais, mas estamos num universo completamente nonsense após a febre do GameStop e os próprios crescimentos da Tesla.

Assine a newsletter do Gizmodo

Lou não acredita que as decisões da Tesla deveriam assustar seus investidores. “Há muita gente que acreditava que a Tesla estavs supervalorizada, mesmo antes de 2021. O investidor dela já é alguém mais tolerante ao risco”, disse”. “É um efeito assimétrico: os investimentos da montadora afetaram o mercado; mas não o contrário.”

No entanto, ele não é tão otimista quanto à estabilidade de longo prazo da bitcoin. “No fim, algumas pessoas farão muito dinheiro, mas às custas de outros que tomarão muito prejuízo. O excesso de energia da questão da Gamestop está esbarrando nas criptomoedas”.

Nesta manhã, Elon Musk decidiu novamente movimentar o mercado da dogecoin oferecendo-se para pagar dinheiro aos maiores detentores da moeda se eles concordassem em “anular suas contas” para “descentralizar” o mercado. De acordo com a Dogecoin Rich List, uma simples conta tem 28,7% de todos os ativos da criptomoeda.

Se tudo isso para você parece mais um filme do Adam McKay, como “A Grande Aposta”, você não está sozinho.