Ainda segundo a Brasscom, 20% das conexões — ou 7,6 milhões dos acessos — tem conexão acima de 2Mbps. Ou seja, 80% ainda estão com conexões consideradas bem lentas para os padrões mundiais. Por isso a pesquisa conclui que o Brasil continua com um crescimento aquém do ideal em termos de conectividade — e, claro, o alto preço e a baixa qualidade são os principais problemas.

Mesmo assim, uma evolução de 51,5% em um ano mostra como estamos expandindo a nossa banda larga. Esperamos que o PNBL contribua para o crescimento e que não demore ainda mais para sair do papel. [G1]