Uma nova plataforma de criptomoeda e pornografia acredita que você vai querer bater umazinha em troca de dinheiro virtual. A Vice Industry Token Inc. espera oferecer a clientes, criadores de conteúdo e distribuidores “dinheiro” de graça — na forma de sua própria criptomoeda — vá ajudá-la a mexer com a indústria de entretenimento adulto.

• Um lugar nos EUA quer que cidadãos paguem taxa de US$ 20 para ver pornografia online
Como o blockchain, a tecnologia por trás do Bitcoin, pode transformar a indústria alimentícia

O conceito por trás da Vice Industry Token (VIT) é aparentemente simples: engajar com a plataforma de entretenimento adulto em troca de criptomoedas que você pode gastar em conteúdos e serviços da empresa e de seus parceiros. Mas você estará sacrificando mais do que apenas seu tempo para ser pago: você também estará entregando os seus dados a eles.

Como muitas criptomoedas populares, a VIT é construída em cima de uma blockchain de código aberto, que é onde os tokens são gerados e distribuídos, conforme descrito nas diretrizes da empresa. É também onde o engajamento de cada usuário na plataforma, vendo vídeos ou comentando, por exemplo, é registrado. Entramos em contato com a empresa para mais informações sobre os tipos de metadados que a companhia está coletando e vamos atualizar a publicação se tivermos uma resposta.

“Essa capacidade de capturar engajamento autêntico de usuário no ponto de interação forma a base da emergente ‘Economia da Atenção’, no que veio a ser chamado de tecnologia de ‘prova de cérebro'”, escreve a empresa nas diretrizes. Ela acrescenta que, ao documentar os metadados de engajamento dos usuários, as pessoas que estão criando pornografia para a plataforma podem “identificar com maior precisão as preferências dos espectadores, permitindo-lhes refinar e criar um melhor conteúdo para os espectadores”.

Esse não é um modelo único — maioria das redes sociais e aplicativos gratuitos que você usa atualmente estão coletando seus dados para vender para terceiros como uma forma de lucro. E embora esse modelo de negócio certamente acrescente mais uma camada invasiva à internet, ainda não sabemos se as pessoas vão querer mais dados sensíveis — como o tipo de conteúdo com que estão se masturbando — sendo entregues a estranhos. Embora, para ser justa, você já está entregando um monte de dados para os sites pornô gratuitos que visita.

“Os consumidores estão ganhando um token de utilidade ao estar em sites da Vice Token”, disse o CEO da empresa, Stuart Duncan, em entrevista ao Daily Beast. “Eles não vão se importar com como a blockchain funciona, tudo que vai importar é ganhar um produto de graça e, então, o bônus de ganhar algo em troca, de ser pago.”

Se alguém não se importa em sacrificar informações sobre seus hábitos de consumo de pornô, então, claro: ser pago por algo que você já está fazendo não é inerentemente uma coisa ruim. E embora falar sobre blockchain possa embaraçar a visão de algumas pessoas, é uma suposição equivocada acreditar que as pessoas não se importam com como um produto ou serviço está as rastreando. A linguagem na seção de perguntas frequentes da empresa também se gaba de forma estranha sobre sua coleta de dados. Uma das perguntas se trata de como a Vice Token se destaca em relação a outras criptomoedas parecidas, como a SpankChain:

“… as moedas da SpankChain não capturam metadados de engajamento do espectador, um elemento crucial da Economia da Atenção que impulsiona o verdadeiro valor por trás da VIT. Em comparação, a VIT é um token multidimensional que pode ser usado para recompensar os espectadores por sua atenção, para pagar produtores de conteúdo por seu conteúdo premium, e para que distribuidores de conteúdo monetizem os dados que coletam vendendo-os para outros fornecedores de produtos e serviços para o público adulto.”

Como eu disse, modelos de negócio baseados em coleta de dados de usuários já se provaram extremamente bem-sucedidos, como Facebook e Google, e a Vice Industry Token inclui o benefício extra de recompensar sua lealdade com algumas criptmoedas. Mas existem muitos sites de conteúdo adulto que as pessoas podem visitar de graça sem seus hábitos pornográficos acabarem na blockchain.

[The Daily Beast]