Em um dos eventos-chave de ontem na Campus Party, os engenheiros da NASA Marco Figueiredo e Michael Comberiate tomaram o palco principal por uma hora para falar curiosidades sobre as suas atividades na agência espacial americana – e também para dar umas dicas de como você também pode chegar lá.

Marco e Mike alternaram-se no português e no inglês, no entusiasmo e na experiência, enquanto fizeram algo que mais se assemelhou a uma roda de histórias do que a uma palestra.

Começaram contando a história de uma menina que, apenas por vir perguntar como seria trabalhar na NASA, acabou tendo o seu interesse recompensado com a oportunidade de estagiar por lá. “Vocês também podem!”, Marco fazia questão de repetir. Basta ter e mostrar muito interesse – além, claro, de saber falar inglês, conforme foi muito bem frisado.

Logo estávamos conversando sobre envio de robôs à Marte e as dificuldades da missão. Aprendi que se quisermos manter um robô na superfície oposta à que podemos observar da Terra, por exemplo, seria necessário usar um satélite para coletar as informações do robô ao passar “pelo lado de lá” e depois enviá-las de volta à Terra sempre que passasse pelo “lado de cá”.

Durante a sessão de perguntas e respostas, uma pergunta que arrancou algumas risadas da plateia: “Dá para confiar no Windows para lidar com processos complicados os usados por vocês da NASA?” A resposta, diplomática: não dá para confiar que o Windows não vai apresentar nenhum problema… assim como não daria para confiar totalmente no Linux ou em nenhum outro sistema. Os engenheiros acrescentaram que estão sempre preocupando-se em bolar novas formas de fazer com que esse tipo de falha seja cada vez mais incomum. E que exista sistemas de backup.

Ao fim, tocou-se novamente no assunto com a qual a palestra se iniciou. Marco Figueiredo falou um pouco mais sobre como é a vida de um estagiário da NASA – eles são divididos em aprendizes (os novatos) e líderes (os que já foram aprendizes e demonstraram aptidão e interesse suficientes para voltar, desta vez com algumas responsabilidades. Ao final, deixou o caminho do ouro. O seu email pessoal, onde ele aceita receber propostas de interessados nessa carreira: marco@gemasdaterra.org. E aí, vai encarar?