Durante meses, a terrível epidemia de ebola devastou centenas de vidas na África. Ainda assim, ela estava contida em apenas três países. No entanto, um americano infectado foi transportado para os EUA, e outra será levada em seguida. É a primeira vez que o país – e o continente americano – recebem alguém com o vírus. E de propósito! Teve gente com medo, teve gente indignada – mas contrair o vírus é mais difícil do que você imagina.

A febre ebola é bastante letal se você a contrair: nesta epidemia mais recente, 55% dos infectados morreram. E não há cura, apenas vacinas e soros experimentais. Isso pode assustar, mas a chance do ebola se espalhar – seja nos EUA, seja no Brasil – é tão incrivelmente baixa que isso é quase uma impossibilidade.

Ainda preocupado? Então vamos dar uma olhada em como o ebola se espalha, e na tecnologia existente para impedir isso.

O que é ebola

A febre hemorrágica ebola é uma doença causada pelo vírus ebola. Ela causa sintomas como febre, dor de cabeça, dores nas articulações, perda de apetite, dificuldade em respirar e inflamação na garganta. Nos estágios avançados, é comum haver diarreia, vômitos e sangramentos internos.

A doença apareceu pela primeira vez em 1976, no Sudão e no atual Congo, em uma vila próxima ao rio Ebola – daí seu nome. Acredita-se que o vírus foi transmitido à população humana por morcegos-da-fruta, após contato direto de pessoas com o sangue, secreções ou órgãos de animais infectados.

Como o vírus ebola é transmitido

Ao contrário do vírus da gripe, o ebola não sobrevive bem fora do corpo. Ele só pode se espalhar através do contato direto com fluidos corporais, geralmente sangue ou fezes – algo que a maioria das pessoas tende a evitar. O ebola também não é contagioso durante o período de incubação, que dura 21 dias. Ou seja, você só pode pegar o vírus de pessoas que já aparentam estar doentes. Sim, os sintomas são vagos e semelhantes à gripe, mas enquanto você evitar o tipo errado de contato com alguém que esteja visivelmente doente, não haverá problemas.

Como o ebola só pode ser transmitido dessa forma, as pessoas com maior risco de contrair a doença são funcionários de hospital e os familiares de pacientes. De fato, vários médicos e enfermeiros na África ficaram doentes após cuidarem de pacientes de ebola. (Profissionais de saúde na região vêm abandonando postos de trabalho por medo da doença.) Mas os EUA têm instalações e equipamentos avançados para proteger os funcionários, então levar dois pacientes representa um risco mínimo.

ebola (3)

Por que aconteceu uma nova epidemia na África

A OMS (Organização Mundial da Saúde) afirma que, desde fevereiro, o ebola já matou 729 pessoas na África e infectou outras 1.323, especialmente em Guiné, Libéria e Serra Leoa. A doença nunca matou tantas pessoas antes, e acredita-se que práticas sociais e culturais estão ajudando a propagar o vírus.

Em geral, as pessoas infectadas se recusam a procurar ajuda médica para o ebola – os hospitais não têm funcionários o bastante para cuidar dos pacientes – e preferem recorrer a curandeiros. Quando chegam ao hospital, os pacientes geralmente já estão em estágio avançado da doença – na qual a taxa de mortalidade chega a 90% – e raramente saem vivos, aumentando a desconfiança quanto ao tratamento.

Pior: a tradição para sepultar os mortos nessas comunidades envolve tocar no defunto ou banhá-lo, ajudando a doença a se propagar. Médicos recomendam que os familiares não cuidem da pessoa infectada, e não sigam essa tradição caso ela venha a falecer, mas os habitantes não confiam neles. Na verdade, algumas comunidades acreditam que a doença é transmitida pelos médicos que chegam à região para ajudar.

ebola (2)

O que está sendo feito para conter a epidemia

Como explica o New York Times, “a única maneira de conter o surto é isolar cada paciente infectado, rastrear todos os seus contatos, isolar os que ficarem doentes e repetir o processo até que, finalmente, não haja mais casos”.

A Libéria fechou a maior parte das suas fronteiras por terra, e diz que testará todos os passageiros do aeroporto internacional de Monróvia por sinais da doença. O país também fechou as escolas, colocou os funcionários públicos não-essenciais em licença compulsória de 30 dias e pediu o envio de forças de segurança para combater o surto.

Serra Leoa, por sua vez, decretou estado de emergência: prometeu colocar os epicentros da doença em quarentena, e vai revistar casas para encontrar pessoas infectadas. Libéria, Serra Leoa e Guiné fecharam o acesso a suas fronteiras em comum – são países vizinhos.

A Nigéria só teve uma fatalidade (um americano que trabalhava na Libéria), mas também está se prevenindo: vai analisar passageiros vindos dos países sofrendo com a epidemia. As companhias aéreas Asky e Arik Air suspenderam os voos de e para Serra Leoa e Libéria, enquanto a Emirates suspendeu seus voos para a Guiné.

Entidades internacionais também vão ajudar. A OMS anunciou um plano de US$ 100 milhões para levar mais médicos e suprimentos à região afetada. Os EUA vão enviar pelo menos 50 especialistas em saúde pública para a região.

Como transportar um paciente com ebola

Na semana passada, um avião fretado do CDC – Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA – voou com destino à Libéria, onde ele foi buscar os americanos. Este não é um jato comum: o Gulfstream III está equipado com um Sistema Aeromédico de Contenção Biológica, uma tenda que isola o paciente do resto da tripulação de voo. Ele é assim:

ebola (1)ebola (1)

O jato consegue viajar dos EUA até a África em apenas 12 horas com uma equipe médica grande para cuidar do paciente. A tenda tem pressão negativa para evitar que patógenos invadam a cabine. É um dos meios de transporte mais seguros para doenças tão preocupantes como o ebola. (Nossos amigos do Jalopnik fizeram uma análise em profundidade do avião.)

Como isolar o paciente no hospital

O Dr. Kent Brantly foi o primeiro paciente com ebola a chegar aos EUA: neste sábado, ele foi transferido para o Hospital da Universidade Emory, em Atlanta. (O CDC também está sediado em Atlanta.) Nesta terça-feira, a missionária Nancy Writebol – também infectada – será levada ao país.

De acordo com o Wall Street Journal, Emory tem uma das quatro unidades de isolamento em os EUA especialmente equipadas para lidar com pacientes de alto risco. A unidade também é separada do restante do hospital, para minimizar o alastramento da doença.

Vale lembrar novamente que o ebola é transmitido através de fluidos corporais, e não pelo ar. Por isso, os funcionários de saúde não precisam usar trajes hazmat, aqueles feitos para proteger contra materiais perigosos. Eles devem, no entanto, usar um traje impermeável, máscara, óculos protetores e luvas. Após o uso, esse material é queimado.

A unidade de isolamento em Emory também previne que organismos patogênicos se espalhem pelo ar: ela usa pressão negativa para impedir que o vírus escape. O local já foi usado para tratar a SARS e, nos EUA, zero pessoas morreram por causa do vírus.

E no Brasil?

Levar pacientes com ebola aos EUA é um processo controlado e contido. Mas será que alguém poderia levar o ebola para outros países sem saber? E se isso acontecer, o que fazer?

A infectologista Otília Lupi diz ao Fantástico, da Rede Globo, que “tem uma chance grande da gente ter casos” no Brasil, mas descarta uma epidemia: “a gente não precisa ficar tão assustado assim”.

Médicos da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio, dizem que nossa rede de prevenção e contenção de epidemias está entre as melhores do mundo. Lupi diz que “a gente tem uma estrutura que é capaz de vencer esse desafio”, e lembra mais uma vez: o vírus requer contato físico para se propagar – o contágio não acontece pelo ar.

Na África, sem uma infraestrutura adequada, a situação é realmente assustadora. O continente não consegue lidar sozinho com a epidemia, e o estigma contra funcionários de saúde dificulta ainda mais o tratamento de pacientes. Será necessário um esforço contínuo para conter o ebola mais uma vez. [Time e CBS News]

Fotos por CDCUNICEF Guinea/Flickr, European Commission DG ECHO/Flickr e CDC