Vivendo em profundidades que se aproximam de um quilômetro e meio, as esponjas árticas do fundo do mar são uma curiosidade científica, pois de alguma forma conseguiram fazer desse ambiente extremo seu lar. Novas evidências coletadas ao longo de um ano inteiro estão levando os biólogos um passo mais perto de compreender essas esponjas ecologicamente importantes e como elas são capazes de sobreviver a tais condições adversas.

As agregações de esponjas são um contribuinte importante para os ecossistemas do fundo do mar e são frequentemente comparadas aos recifes tropicais nesse aspecto. No entanto, muito pouco se sabe sobre seu ambiente e as condições responsáveis ​​por tornar a vida possível, tanto para as esponjas do fundo do mar quanto para a comunidade de animais que vivem entre elas. Localizados a mais de 1.500 metros abaixo da superfície e em águas abaixo do ponto de congelamento, esses organismos não têm acesso à luz do sol, e o alimento que se torna disponível é excepcionalmente escasso. Apesar disso, essas áreas de esponja são um verdadeiro oásis para outros invertebrados e peixes.

“O mar profundo, na maioria dos lugares, é estéril e plano”, disse Furu Mienis, geóloga marinha do Instituto Real Holandês para Pesquisa Marinha, em um comunicado. “E então, de repente, temos esses campos de esponja que formam comunidades coloridas e prósperas.” Ao que ela acrescentou: “É intrigante como este sistema se sustenta em tal lugar”.

Mienis é coautora de um novo estudo do JGR Oceans que detalha uma investigação de um ano de uma área de esponja localizada no Banco Schulz da Cordilheira Mesoatlântica.

“Aparentemente, este monte submarino e as condições hidrodinâmicas criam um sistema benéfico para as esponjas”, disse ela.

Implantação do módulo de pouso inferior. Imagem: NIOZ

A equipe de Mienis implantou um módulo de pouso inferior – uma grande plataforma equipada com uma série de sensores – no cume de um monte submarino ártico localizado no mar da Noruega. Em operação de 21 de julho de 2016 a 27 de julho de 2017, o módulo de pouso inferior coletou dados como temperatura e níveis de oxigênio da água, fluxo de correntes e até mesmo a quantidade de comida que escorria da superfície. Uma câmera especial instalada na plataforma conseguiu capturar mais de 700 horas de filmagem, oferecendo uma perspectiva de longo prazo das mudanças físicas na agregação de esponjas do fundo do mar.

Dados coletados no cume do Banco Schulz mostraram que a água que flui ao redor da área de esponjas está interagindo com o próprio monte submarino, “o que produz uma mistura turbulenta com velocidades de corrente temporariamente altas”, como escrevem os autores no estudo. Além do mais, a água que se move ao redor do monte submarino está entregando “alimentos e nutrientes das camadas de água acima e abaixo em direção à área de esponja”, de acordo com o novo artigo. A equipe registrou correntes “altas” marcando (0,7 metros por segundo), o que para o fundo do mar é uma super tempestade (assista ao vídeo abaixo sobre as correntes de “alta velocidade”).

Apenas um episódio durante o ano forneceu comida de cima; a saber, o período de floração do fitoplâncton no verão. Os autores disseram que isso não poderia fornecer comida suficiente para as criaturas abaixo, e eles suspeitam da presença de outras fontes de alimentos na forma de bactérias e matéria dissolvida.

Esponjas do fundo do mar ao longo do Banco Schultz foram observadas prosperando em temperaturas abaixo do ponto de congelamento, que os autores descreveram como “extremo”. Os cientistas dizem que essas temperaturas frias podem estar mantendo essas criaturas vivas, reduzindo sua taxa metabólica de forma que possam sobreviver ao ambiente hostil e com recursos escassos. Curiosamente, as correntes de alta velocidade parecem testar os limites das esponjas.

“As velocidades que testemunhamos podem estar próximas do máximo que elas podem suportar”, explicou Ulrike Hanz, a primeira autora do novo estudo, no comunicado da NIOZ. “Na velocidade mais alta, vimos algumas esponjas, bem como anêmonas sendo arrancadas do fundo do mar.”

Assine a newsletter do Gizmodo

Quanto às mudanças físicas no local, os cientistas não viram praticamente nada de novo durante o ano inteiro. Um ano se passou e “tudo parecia quase igual”, disse Hanz, já que “está tão frio lá fora que nenhuma loucura está acontecendo”.

Apesar dessa serenidade, os autores alertam que as agregações de esponjas do fundo do mar precisam ser protegidos das atividades humanas, citando a pesca e a possível mineração em alto mar como ameaças potenciais. É triste pensar que esses animais podem sobreviver a tais condições adversas no fundo do mar do Ártico, mas não às mãos intrometidas da humanidade.