Três esqueletos pertencentes a indivíduos africanos foram descobertos em uma vala comum na Cidade do México. Eles representam algumas das primeiras pessoas africanas a chegar à escravidão no Novo Mundo. Uma análise interdisciplinar desses achados está lançando uma nova luz sobre esse período sombrio da história e as duras condições a que estavam sujeitos os trazidos pela primeira onda de africanos escravizados no continente americano.

“Até onde sabemos, eles são os primeiros africanos de primeira geração geneticamente identificados na América”, de acordo com os autores de um novo artigo, publicado hoje na Current Biology.

Encontrados na Cidade do México, os três esqueletos foram enterrados em uma vala comum perto do antigo local do Hospital Real de San José de los Naturales. Este hospital primitivo remonta ao período colonial inicial da Nova Espanha e foi usado principalmente para tratar povos indígenas.

Todos os três esqueletos remontam a esse período colonial no século 16, o que significa que esses indivíduos estavam na primeira onda de africanos a serem sequestrados e trazidos para a América pelo comércio transatlântico de escravos.

Uma análise interdisciplinar desses restos mostra um quadro sombrio de suas vidas, mostrando evidências de migração forçada, abuso físico e exposição a doenças infecciosas.

“Ao investigar a origem e a experiência de doenças desses indivíduos através de métodos moleculares e avaliando o esqueleto quanto a sinais de experiência de vida e afinidade cultural, descobrimos, em certa medida, a identidade, a cultura e a vida dessas pessoas cujas histórias foram amplamente perdidas”, escreveram os autores do novo estudo, que tem Johannes Krause — do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, que fica na Alemanha — como um dos autores.

A origem dessa história remonta a 1518, quando Carlos I da Espanha autorizou a transferência de africanos escravizados para o vice-reinado da Nova Espanha, que na época incluía a maior parte do que hoje é o México, o Caribe e partes dos EUA e Canadá.

Em 1779, cerca de 130 mil a 150 mil africanos haviam sido realocados à força para o vice-reino, segundo os pesquisadores. Destes, cerca de 70 mil chegaram entre 1600 e 1640. No novo artigo, os autores explicaram o aumento repentino na realocação de indivíduos escravizados:

“…em parte devido a uma redução na força de trabalho indígena que resultou tanto de baixas nos muitos conflitos durante a conquista europeia e de doenças (entre elas, varíola, sarampo e febre tifoide) que devastaram quase 90% dos a população nativa. Acreditava-se que crioulos, africanos, mulatos e outros grupos de descendência africana tivessem maior resistência a essas doenças em comparação com americanos e europeus indígenas, tornando-os ativos desejáveis. Além disso, Las Leyes Nuevas (As Novas Leis) de 1542 proibiam o uso de mão-de-obra nativa americana como escravos na Nova Espanha.”

Para analisar os três esqueletos, os autores combinaram evidências genéticas e isotópicas, além de evidências físicas recolhidas dos restos mortais.

A prova de que essas pessoas vieram da África tem várias fontes. Primeiro, os dentes superiores mostravam evidências de preenchimento decorativo, uma prática cultural conhecida de algumas tribos africanas.

Segundo, esses três indivíduos compartilharam uma linhagem do cromossomo Y que está fortemente correlacionada com pessoas da África subsaariana e é a linhagem genética mais comum entre os afro-americanos dos dias de hoje.

E terceiro, os isótopos dentários extraídos dos dentes mostraram que os indivíduos nasceram fora do México, tendo passado toda a juventude na África, segundo a pesquisa.

Imagem de três crânios e três arcadas dentárias, identificadas com letras de A a F. Os dentes têm ornamentos.Crânios e padrões de decoração dental observados nos restos esqueléticos. Imagem: Coleção de San José de los Naturales, Laboratório de Osteologia, Escola Nacional de Antropologia e História, Cidade do México, México. Foto: R. Barquera e N. Bernal

A análise dos esqueletos sugere que essas pessoas foram submetidas a abuso físico e trabalho manual intenso, como padrões nos ossos causados por músculos e sinais de hérnia nas vértebras. Outras evidências apontaram “dietas nutricionalmente inadequadas, anemia, doenças infecciosas parasitárias e perda de sangue”, escreveram os autores.

Esses africanos escravizados também foram vítimas de violência extrema. Um esqueleto tinha cinco tiros de cobre disparados de uma arma, enquanto outro mostrava sinais de fraturas no crânio e nas pernas. Nenhuma dessas lesões resultou em mortes, mas os três morreram prematuramente.

“E como que foram encontrados neste local de sepultamento em massa, esses indivíduos provavelmente morreram em um dos primeiros eventos epidêmicos na Cidade do México”, explicou Rodrigo Barquera, principal autor do estudo e estudante de graduação do Instituto Max Planck, em um comunicado à imprensa .

“[Podemos] dizer que eles sobreviveram aos maus-tratos que receberam. A história deles é de dificuldade, mas também de força, porque, embora tenham sofrido muito, eles perseveraram e resistiram às mudanças impostas a eles. ”

A análise também resultou na detecção de dois patógenos conhecidos, o vírus responsável pelo vírus da hepatite B (HBV) e a bactéria responsável pela bouba (Treponema pallidum pertenue), que causa sintomas semelhantes à sífilis. É importante ressaltar que esta é a evidência mais antiga de ambas as doenças na América.

Imagens de quatro ossos com identificações de danos e desgastes.Dano articular e ósseo encontrado nos restos esqueléticos: (A) desgaste ósseo extenso, (B) sinais de hérnia nas vértebras, (C e D) coloração esverdeada como evidência de uma bala de cobre. Imagem: Coleção de San José de los Naturales, Laboratório de Osteologia, Escola Nacional de Antropologia e História, Cidade do México, México. Foto: R. Barquera e N. Bernal

“Embora não tenhamos nenhuma indicação de que a linhagem de HBV que encontramos se estabeleceu no México, esta é a primeira evidência direta da introdução do HBV como resultado do comércio transatlântico de escravos”, disse Denise Kühnert, coautora do estudo e especialista em doenças infecciosas no MPI SHH. “Isso fornece uma nova visão sobre a (…) história do patógeno”.

O mesmo vale para a bouba, o que era comum na América durante o período colonial. Antes do novo estudo, no entanto, a mais antiga evidência genética da doença veio de um colono europeu do século 17.

“É plausível que a bouba não tenha sido trazida apenas para as Américas através do comércio transatlântico de escravos, mas que posteriormente tenha tido um impacto considerável na dinâmica das doenças na América Latina”, acrescentou Kühnert.

Não é preciso dizer que este é um dos aspectos mais complicados do novo estudo; vincular a presença do HBV e da bouba nesses indivíduos à disseminação de doenças da África para as Américas é, na melhor das hipóteses, uma afirmação sem muitas evidências. Pesquisas futuras são necessárias.

Mesmo assim, o novo artigo apresenta uma visão devastadora da vida durante o período colonial inicial e as tremendas dificuldades sofridas pelas dezenas de milhares de pessoas sequestradas da África.