Avançando pela Via Láctea a quase a quase 3 milhões de quilômetros por hora, a estrela LP 40-365 não mostra sinais de parar. Percebendo isso, uma equipe de astrônomos analisou o caso e descobriu que ela foi impulsionada  por uma explosão de supernova milhões de anos atrás.

A LP 40–365 é incomum. É uma anã branca pequena e compacta no final de sua vida, além de ser muito rica em metais. Ela também tem atmosfera própria, composta principalmente de oxigênio e neon.

Mas o mais importante para esta história é que a estrela é a fuga de uma enorme explosão estelar — que colocou em movimento sua corrida para fora da galáxia como se fosse um estilingue.

Quando uma anã branca está orbitando outra, uma estrela cede massa para a outra, que a engole continuamente. Esse sistema binário também pode emitir ondas gravitacionais enquanto orbitam entre si, com a estrela faminta (o agregador) detonando em uma enorme explosão termonuclear.

A equipe por trás da nova pesquisa não tem certeza se estrelas como LP 40-365 são normalmente os doadores ou os agregadores em seus sistemas binários, mas os cientistas acreditam que esta bola de metal quente em particular é basicamente estilhaços estelares da estrela de acréscimo, que eventualmente explodiu.

Essa descoberta foi publicada nesta semana no The Astrophysical Journal Letters.

“Ter passado por uma detonação parcial e ainda sobreviver é muito legal e único, e foi apenas nos últimos anos que começamos a pensar que esse tipo de estrela poderia existir”, disse Odelia Putterman, pesquisadora da Universidade de Boston, ao The Brink.

Assine a newsletter do Gizmodo

A equipe encontrou a estrela usando observações do Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) e do Telescópio Hubble, que revelou um objeto de movimento rápido com um padrão regular de escurecimento e brilho.

Isso sugeria que ela estava girando lentamente – completando sua rotação a cada nove horas – enquanto se movia pelo espaço.

Com base nos cálculos da equipe, eles acreditam que a LP 40-365 está viajando há pouco mais de 5 milhões de anos. “A estrela está basicamente sendo atingida pela explosão e estamos [observando] sua rotação ao sair”, completou Putterman.